Avançar para o conteúdo principal

O poder do voto de cada um de nós!

No próximo domingo temos a responsabilidade de escolher uma nova assembleia da república de onde surgirá um novo governo para a nação. Gostava de reflectir sobre formas alternativas de ver este importante acto da vida de cada um de nós e fazer emergir novos poderes para o nosso voto.

Começo pelo contexto:
Já aqui tenho escrito que nós, os Portugueses, andamos com uma crise de identidade que entramos na modernidade com o 25 de Abril destroindo capacidades que não temos justiça, que nos falta instrução e atenção as nossas crianças, que enfrentamos uma situação mundial de falta de valores, ...
Temos um regime assente em más regras para a sociedade que temos e com forte pendor de doutrinas ultrapassadas.

As regras:
Até agora, temos seguido as seguintes regras:
a) vamos votar para escolher um partido, uma pessoa, ... ou seja, escolhemos pela positiva, uma escolha que é do mal o menor!
b) vemos a escolha da assembleia da república como a escolha de um governo e não de um conjunto de deputados, independentes e com mandatos próprios
c) olhamos para o presidente como o último refugio, como alguém que pode destituir o governo e o parlamento, mas não vemos alguém com influência e mandato para construir

Alguns factos:
a) os que tinham menos de 10 anos no 25 de abril de 74 são hoje (se não me falha a memória) praticamente 50% do eleitorado, a grande maioria da força de trabalho e do poder de compra, é de onde emergem a novas elites e são os recursos e as capacidades para os próximos 25 anos
b) temos à disposição meios tecnologicos de comunicação e participação como nunca, que podemos usar para mobilizar, influenciar, discutir, construir, ... (veja-se a revolução verde, as manifestações de professores, ...)
c) Prof. Cavaco Silva tem ganho eleições com a geração que tinha menos de 10 anos no 25 de abril de 74
d) Prof. Cavaco Silva quer ser eleito para um segundo mandato

O que proponho é que utilizemos o nosso voto no próximo domingo de maneira completamente nova:

a) Votar para eliminar: não votar em nenhum dos 5 partidos representados na assembleia: CDS, PSD, PS, BE, CDU
b) Votar em novas ideias: votar num dos 10 partidos restantes que traga ideias novas e gente nova - podem votar nas ideias, nas convições, nas pessoas, ...
c) Não votar nulo ou abstenção para mostrar (aos diferentews poderes) que o pais nos interessa e que estamos interessados em participar de forma limpa e com regras bem conhecidas

Com esta nova forma de ver o voto, elegemos uma nova assembleia da república, cheia de tensões, com ideias novas, com pessoas novas, com renovada energia; não saira nenhum cenário estável de governação 'pré-combinada'; antes há que olhar para a assembleia como um conjunto de deputados com independência.

O que fazemos com este novo contexto após as eleições?

Por influência e persuação, vindo para a rua, twittando, usando todo o poder da nossa geração e das tecnologias que temos ao alcance, vamos propor ao nosso Presidente da República que tenha um papel novo - o de construir a nova República Portuguesa (PR)! e a nossa Assembleia da República (AR) o de garantir as condições para a nova República Portuguesa! Como ?

a) Presidente chama os deputados a Belém e convoca-os para a sua responsabilidade

b) PR e AR marcam eleições para daqui a 6 meses

c) PR propoem um governo de gestão para os 6 meses que a AR rectifica

d) AR trabalha numa nova constituição e em novas leis políticas (e.g. partidos e seu financiamento) que refundem a República Portuguesa - assentes em novos valores

e) PR terá que ser o maestro desta orquestra com o objectivo de lançar as bases do novo Portugal

O que é importante perceber neste momento é que o nosso futuro esta nas nossas mãos e que este ou outro cenário depende unicamente de cada um de nós!

Sim, nós podemos!

Comentários

Sérgio disse…
Novas ideias? Perdão, mas... Olhando para os outros partidos, o que vejo é: "Marxismo Leninismo na acção e na palavra...", "Fora com os emigrantes que já não há mais espaço (mas deixem cá os descontos que fizeram para a SS)...", "Revolução socialista com recurso às armas; a luta continua...", "Salazar volta que o país precisa de gente séria..."

Hum... Não estou a ver o que é que isso ia trazer de inovador ou refrescante... :D
Marco de Abreu disse…
O importante não é veres a mensagem de 2 ou 3, mas sim votares num dos 10, garantires diversidade - o critério é teu, por exemplo, escolhe o que te estiver mais próximo - vê por http://www.bussolaeleitoral.pt/
...Já vamos tarde..
mas a melhor aproximação seria desenhar um novo partido com regras diferentes!!

Os "Novos partidos" têm as mesmas regras, a mesma forma de participação, os mesmos princípios para fazer campanha, organizar propostas, (...)

Um "sistema" onde não se mudam as regras não muda o seu comportamento.

O novo partido teria regras novas ! Só para começar:
- Participação / discussão directa em blogs auto-mediados no bom estilo da wikipedia.
- representação e defesa directa das ideias que emergência desse conceito.
- S/ qq liderança explicita, apenas representação para a comunicação social.
- Baseado em princípios de explicitarão de toda a actuação política.
...Já vamos tarde..
mas a melhor aproximação seria desenhar um novo partido com regras diferentes!!

Os "Novos partidos" têm as mesmas regras, a mesma forma de participação, os mesmos princípios para fazer campanha, organizar propostas, (...)

Um "sistema" onde não se mudam as regras não muda o seu comportamento.

O novo partido teria regras novas ! Só para começar:
- Participação / discussão directa em blogs auto-mediados no bom estilo da wikipedia.
- representação e defesa directa das ideias que emergência desse conceito.
- S/ qq liderança explicita, apenas representação para a comunicação social.
- Baseado em princípios de explicitarão de toda a actuação política.

Mensagens populares deste blogue

As minhas práticas

Várias pessoas a minha volta tem-me perguntado sobre as minhas práticas, diárias, semanais, mensais, para me manter integro, inteiro, autêntico. Aqui resumo as que tenho praticado:

Diárias (ou praticamente)
- Meditação (aprox. 1h)
- Journaling
- Dormir pelos menos 7 horas
- Beber 1 a 2 litros de água (procurando que seja o mais próximo possível de água de nascente)
- Alimentação consciente: vegan; 30% de crus; tentativamente biológica, local, de comércio justo; sem uso de açucar adicionado, alcool, café, sal refinado; com uso consciente de glutén, soja, sal e cereais integrais
- Jejum de 14 horas
- Andar o máximo que puder
- Leitura de 1 hora (ou visionamento de documentários e/ou filmes ou visita a exposições/ museus)
- Estar diariamente com os meus filhos e companheira
- Procurar um equilíbrio entre eu e a companheira no dia a dia da família (e.g. logistica, filhos)
- realizar tarefas comuns de forma mindfulness (e.g. arrumar a cozinha, conduzir, brincar com os miudos)

Semanais
- P…

Aprendizagens da condição COVID19 II: escola e aprendizagem

É curioso observar que antes da situação COVID19, o Movimento de Educação Livre ou a Rede de Educação Viva eram periféricos ao sistema. Defendiam formas de fazer que eram completamente diferentes do seguidos pelo sistema. De repende, de um dia para o outro, o que era periferia tornou-se mainstream e o que esta no centro passou para a periferia: fomos todos para homeschooling. E tem estado a funcionar, uns melhores, outros piores, mas no geral, esta a funcionar. Há muito para aprender nos próximos anos, a medida que formos estudando o que se passou aqui, mas vimos todos que é possível modelos completamente diferente a aprendizagem e a educação. Fico curioso para saber como o modelo da Filândia funcionou neste contexto ? assim como as escolas da revolução em Barcelona ? ou das escolas no Brasil que seguiam o modelo âncora do José Pacheco ?

Os meus filhos seguem uma escola, que esta no eixo mais conservador (eixo que de um lado/metade tem os modelos de sala de aula e do outro/ metade te…

MOVIMENTO manifesto * Janeiro de 2011

Recomendo vivamente a leitura deste manifesto.
MOVIMENTO manifesto * Janeiro de 2011


....
Manifesto ‘Movimento’
1º Draft por Marco de Abreu * Janeiro de 2011

Para todo o lado que ‘olhamos’ - um olhar com todos os sentidos - vemos, melhor dizendo, sentimos que ‘algo tem de ser feito’. Há uma sensação no ar que ‘não estamos bem’, que vamos ter que ‘fazer qualquer coisa’, que a ‘coisa mudou’. Pela ‘coisa’ podemos estar a falar da nossa empresa (cada um que escolha a sua), comunidade (e.g. aldeia, cidade), país (e.g. Portugal), espaço económico (e.g. Comunidade Europeia), planeta (e.g. Terra). Os sintomas são mais que muitos, parece que não há dinheiro que chegue, recursos naturais que cheguem, há crises do clima, financeiras, agrícolas, florestais, políticas, há catastrofes naturais, ...

Uns pressagiam revoluções, outros anseiam por um salvador, muitos baixam a cabeça, muitos arregaçam as mangas e ‘fazem algo’, muitos olham a volta e procuram pistas, sinais, procuram descodificar o que s…