Avançar para o conteúdo principal

A recursividade da política e a CM-Lisboa

Imaginem que quando esfregávamos a lâmpada e pedíamos ao génio os nossos desejos, ele por sua vez tirava uma lâmpada, esfregava e pedia ao novo génio os desejos, que por sua vez tirava uma nova lâmpada, ... já estão a ver a recursividade!

Lembro-me desta história*, sempre que os políticos, para disfarçar os seus erros, omissões, mentiras, incompetência, frustação, impotência ou qualquer que seja a razão, decidem culpar os do passado! É uma estratégia do 'single-loop learning' que visa manter a variável de governo 'maximizar os ganhos, minimizar as perdas'**.

Os rosas dizem que a culpa é dos laranjas, que por sua vez dizem que é dos rosas anteriores, e por ai fora... Já se pode ver que esta recursividade não leva a lado nenhum! Afinal politicamente uns foram subsitutídos pelos outros por causa do passado, mas com projectos de futuro!

Na semana que passou tivemos uma instância desta estratégia: CM-Lisboa e Sr. Presidente António Costa (há coisa de um mês já tinhamos tido outra no Parlamento com o Sr. Presidente do Grupo Parlamentar do PSD, Pedro Santana Lopes e Sr. Primeiro Ministro, José Socrates; e por ai fora).

No incidente da CM-Lisboa há mais duas coisas que me incomodam.

A primeira é o facto da gestão de primeira linha de uma organização pública se decidir vir governar para a praça pública: (i) os políticos acham que compensa! (ii) e os jornalistas deixam-se usar porque acham que compensa! - não há dúvida que no curto prazo há ganhos: uns porque afinal não foram esquecidos (porque se estranha que não se confie nos políticos ?)... os outros porque ganharam uma nova 'crise' com que se entreter (porque se estranha que não haja bom jornalismo?). Resta saber, no longo prazo, o que ganhou a instituição e os munícipes a quem serve ?

A segunda é a dívida (ou melhor dizendo as milhares de dívidas!). Então as ditas cujas não estão em contratos cujas facturam venceram a 30, 60 ou 90, ... dias !? e porque a instituição pública não honrou esses compromissos ? quando contratou já sabia que não ia honrar ? e o que acontece à instituição e às pessoas que não honraram os compromissos ?

É de resultados que estamos a falar: de eficiência e de eficácia!

--------

Como nota de rodapé gostava de dizer que o político António Costa é, na minha opinião, um dos melhores políticos Portugueses no activo.

(*) in Godel, Escher, Bach: An Eternal Golden Braid by Douglas R. Hofstadter
(**) ver http://www.infed.org/thinkers/argyris.htm

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sobre a 'Transparência'...

Um dos princípios fundadores da João Sem Medo é o 'princípio da transparência e accountability'. Vem do 'movimento manifesto' e dos seus 3 blocos principais 'inteligência colectiva', 'mediação tecnológica' e 'ética dos comuns'. No João Sem Medo é implementado usando o 'rio', que concretiza a mediação tecnológica entre a informação e as pessoas, que acolhe a informação de forma livre, não editada, convoca a inteligência colectiva da comunidade, suportado por uma ética de bem comum.

O tema da transparência é um tema forte nas 'organizações abertas' (https://opensource.com/open-organization/resources/what-open-organization) e para o contexto da liderança é um livro muito interessante 'Open Leadership: How Social Technology Can Transform How You Lead'.

No possibility management (http://www.nextculture.org/) - o próximo curso em PT começa a 24.Fev (https://www.facebook.com/events/336000726775079/) o Clinton apresenta um '…

As minhas práticas

Várias pessoas a minha volta tem-me perguntado sobre as minhas práticas, diárias, semanais, mensais, para me manter integro, inteiro, autêntico. Aqui resumo as que tenho praticado:

Diárias (ou praticamente)
- Meditação (aprox. 1h)
- Journaling
- Dormir pelos menos 7 horas
- Beber 1 a 2 litros de água (procurando que seja o mais próximo possível de água de nascente)
- Alimentação consciente: vegan; 30% de crus; tentativamente biológica, local, de comércio justo; sem uso de açucar adicionado, alcool, café, sal refinado; com uso consciente de glutén, soja, sal e cereais integrais
- Jejum de 14 horas
- Andar o máximo que puder
- Leitura de 1 hora (ou visionamento de documentários e/ou filmes ou visita a exposições/ museus)
- Estar diariamente com os meus filhos e companheira
- Procurar um equilíbrio entre eu e a companheira no dia a dia da família (e.g. logistica, filhos)
- realizar tarefas comuns de forma mindfulness (e.g. arrumar a cozinha, conduzir, brincar com os miudos)

Semanais
- P…

Organizações de comuns: a emergência de um novo conceito de propriedade

Imaginem uma estrutura organizacional formada por 3 aneis, assim como o planeta Terra (Núcleo, Manto e Crosta).

O 'Núcleo' é formado pelas relações entre as pessoas que trabalham na organização (e.g. gestores, empregados), quem esta serve (e.g. cliente, utilizadores) e quem é necessário para o serviço (e.g. fornecedores, parceiros). Vamos chamar a este o 'anel da missão'. É um anel de nomeação automática, i.e., se estiver a ter um destes papeis, pertence automaticamente a este anel com os respectivos deveres e direitos. Ou seja, se sou empregado nesta organização pertenço automaticamente a este anel e não tenho como não escolher pertencer.

O 'Manto' é formado por todos aqueles que já estiveram no núcleo executivo e que já não estão, por terem deixado de ser clientes ou utilizadores, parceiros ou fornecedores ou porque se reformaram ou foram executar funções para outras organizações. Vamos chamar a este o 'anel do conhecimento'. É também um anel de nome…