Avançar para o conteúdo principal

Liderança (Metáfora de Manada)

Quando falamos em liderança ocorre uma ou duas ideias de forma sistemática: poder e controlo, tipicamente, ambas sentidas de forma negativa. De facto podemos ter a liderança hierárquica, autocrática, do comando e controlo, mas sinto que é cada vez mais fraca a sua influência. Hoje ouvimos falar de 'servant leadership', 'conversational leadership', 'conceptual leadership', 'resonant leadership', 'integral leadership', 'constructivist leadership',... traduz quer a necessidade, quer a resposta, a experimentação, a emergência.

Imaginem uma manada, uma daquelas manadas que observamos em movimento, por exemplo através da câmara do Yann Arthus-Bertrand. Ao longe percebemos que um vai a frente, que quando ele vira, a manada vira. A manada segue-o. Visto ao longe, parece ser ele o líder, o que vai a frente, o que é seguido, o que sabe como é. Sim, esta poder ser uma das perspectivas da liderança, talvez a que temos mais incutida em nós e que nos faz ter reacções viscerais. Se continuarmos a observar, vemos que entretanto, mudou o elemento da frente e a manada segue este novo elemento. A manada não parou, não fez uma assembleia, simplesmente seguiu um novo elemento. Se continuarmos a observar parece que sempre que muda o da frente acontece o mesmo. É como se todos os elementos estivessem pronto a liderar e assumam esse papel quando necessário. Assim visto de longe.

Vamos aproximar a câmara, para o elemento que vai a frente. Imaginem que esta colocada no seu ângulo de visão. Não tem ninguém a frente, tem aos lados e atrás. Ele desvia-se da pedra, da cobra, salta para terreno mais firme, vira a direita, mantém distância segura dos que vão perto de si e garante que o ritmo não o atropele. Se a câmara mudar para um do meio, ele é seguido pelos detrás, mantém dsitância segura dos do lado, controla a velocidade para não ser atropelado pelos detrás e não atropelar o da frente. Se a câmara for para o último vemos que ele não tem ninguém atrás, mantém a distância em relação aos do lado, segue os da frente e procura garantir que não se distancia, não vá o leão estar por perto. Parece que cada um lidera no seu contexto e de acordo com as suas variáveis.

Imaginem que conseguiamos colocar a câmara de modo a poder saber o que sente, qual a intenção, que pensamentos, ... ? E se a câmara pudesse observar 'a cultura do colectivo', o que estariamos a ver ? Parece que dependendo do ponto de observação temos uma visão diferente do que é liderança. Daqui resulta todos estes rótulos de um campo que esta a experimentar.

Mas a manada é uma metáfora que nos ilumina muitos pontos: é de um sistema vivo, quer os indivíduos, quer o colectivo. A liderança é sentida de forma diferente por cada elemento, mas todos fazem o que tem que fazer no seu contexto e estão preparados para o fazer, sendo que a preparação ganha-se fazendo, agindo. Há um ponto cego na metáfora, este ser vivo terá pouca consciência de si, quer o individuo, quer a manada. O que é humano tem este atributo, pelo que concebe, desenha, tem intenção, age, constroi, o que introduz maior complexidade. Emerge a linguagem e a conversação como instrumento de coordenação.

A manada permite-nos perceber que todos temos que estar prontos para ser lideres nos contexto em que operamos. Que há vários tipos de liderança. Que essa liderança é entre pares, pares na condição de ser humano. Que cada um de nós lidera - queremos que seja cada vez mais consciente essa liderança. Todos temos que responder a pergunta, que e metolologia de espaço aberto nos sugere: 'como pessoa consciente que escolhe realizar a ação, qual a responsabilidade que estou disponível para assumir hoje ?'

Bem poderia chamar-se liderança dos comuns (commons leadership).

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As minhas práticas

Várias pessoas a minha volta tem-me perguntado sobre as minhas práticas, diárias, semanais, mensais, para me manter integro, inteiro, autêntico. Aqui resumo as que tenho praticado:

Diárias (ou praticamente)
- Meditação (aprox. 1h)
- Journaling
- Dormir pelos menos 7 horas
- Beber 1 a 2 litros de água (procurando que seja o mais próximo possível de água de nascente)
- Alimentação consciente: vegan; 30% de crus; tentativamente biológica, local, de comércio justo; sem uso de açucar adicionado, alcool, café, sal refinado; com uso consciente de glutén, soja, sal e cereais integrais
- Jejum de 14 horas
- Andar o máximo que puder
- Leitura de 1 hora (ou visionamento de documentários e/ou filmes ou visita a exposições/ museus)
- Estar diariamente com os meus filhos e companheira
- Procurar um equilíbrio entre eu e a companheira no dia a dia da família (e.g. logistica, filhos)
- realizar tarefas comuns de forma mindfulness (e.g. arrumar a cozinha, conduzir, brincar com os miudos)

Semanais
- P…

Aprendizagens da condição COVID19 II: escola e aprendizagem

É curioso observar que antes da situação COVID19, o Movimento de Educação Livre ou a Rede de Educação Viva eram periféricos ao sistema. Defendiam formas de fazer que eram completamente diferentes do seguidos pelo sistema. De repende, de um dia para o outro, o que era periferia tornou-se mainstream e o que esta no centro passou para a periferia: fomos todos para homeschooling. E tem estado a funcionar, uns melhores, outros piores, mas no geral, esta a funcionar. Há muito para aprender nos próximos anos, a medida que formos estudando o que se passou aqui, mas vimos todos que é possível modelos completamente diferente a aprendizagem e a educação. Fico curioso para saber como o modelo da Filândia funcionou neste contexto ? assim como as escolas da revolução em Barcelona ? ou das escolas no Brasil que seguiam o modelo âncora do José Pacheco ?

Os meus filhos seguem uma escola, que esta no eixo mais conservador (eixo que de um lado/metade tem os modelos de sala de aula e do outro/ metade te…

MOVIMENTO manifesto * Janeiro de 2011

Recomendo vivamente a leitura deste manifesto.
MOVIMENTO manifesto * Janeiro de 2011


....
Manifesto ‘Movimento’
1º Draft por Marco de Abreu * Janeiro de 2011

Para todo o lado que ‘olhamos’ - um olhar com todos os sentidos - vemos, melhor dizendo, sentimos que ‘algo tem de ser feito’. Há uma sensação no ar que ‘não estamos bem’, que vamos ter que ‘fazer qualquer coisa’, que a ‘coisa mudou’. Pela ‘coisa’ podemos estar a falar da nossa empresa (cada um que escolha a sua), comunidade (e.g. aldeia, cidade), país (e.g. Portugal), espaço económico (e.g. Comunidade Europeia), planeta (e.g. Terra). Os sintomas são mais que muitos, parece que não há dinheiro que chegue, recursos naturais que cheguem, há crises do clima, financeiras, agrícolas, florestais, políticas, há catastrofes naturais, ...

Uns pressagiam revoluções, outros anseiam por um salvador, muitos baixam a cabeça, muitos arregaçam as mangas e ‘fazem algo’, muitos olham a volta e procuram pistas, sinais, procuram descodificar o que s…