Avançar para o conteúdo principal

Sinais

Nas últimas semanas houve um conjunto de eventos que merecem ser referidos e registados. Constituem para mim um sinal de que 'algo' mexe, esta vivo, sente-se e faz-se sentir. Clama, reclama. Responde, estimula. Inquieta, interroga. Inspira.

Exposição comemorativa dos 30 anos do CAM - Sob o Signo de Amadeo. Um Século de Arte, onde cerca de 170 obras do Amadeo são apresentadas

Colóquio Internacional Almada Negreiros, 13 a 15 de Novembro (120 anos sobre o nascimento de Almada)

Congresso Internacional Surrealismo(s) em Portugal, 18 a 22 de Novembro (60 anos sobre a morte do poeta António Maria Lisboa, inaugura a Casa da Liberdade de Mário Cesariny)

"Diálogos sobre o Cinema Português e o Cinema do Mundo" com Joaquim Sapinho e Haden Guest, Gulbenkian e Harvard, desde 22 de Novembro

Congresso Internacional Fernando Pessoa,  28 a 30 de Novembro

São exemplos das últimas semanas. Podemos ir a outros campos, desde o cinema, teatro, dança, fotografia, ...

Com a música, ando espantado, como devem andar espantados todos os que celebram a obra, o empreendimento dos seus pares, pelos festivais de música em todo o pais, semana internacional do piano em Óbidos, semana internacional do saxofone de Palmela, semana internacional do Acordeão de Alcobaça, e por ai fora... E os músicos jazz ? Jovens, com muito talento, a trabalhar pelo Mundo, em rede, produzindo
Um indicador será observar, ao longo dos anos, o número de semanas internacionais, o número festivais de Jazz e de outras músicas a florescer pelo pais, bem como o número de candidatos ao prémio de jovens músicos da Gulbenkian.

Com estes dois 'fluxos' vemos respostas em diferentes tempos (curto, longo). No curto, a resposta, o celebrar do que melhor fizemos, inspirando novo sonho, nova visão de acção. No longo, a diversificação na educação em tornos de novas inteligências (e.g. música, movimento) cria novos talentos e um capital social que se começa a tornar-se visível. Em ambos vemos criatividade.

O 'sistema' responde pela cultura, pela celebração de valores que tem sido intemporais e que tem alimentado o pensamento português ao longo do tempo, essa capacidade de superação individual e colectiva, esse transcender-se, na busca de ser melhor. Exemplo disso é a última obra do Paulo Borges, "É a Hora!".


Comentários

Mensagens populares deste blogue

As minhas práticas

Várias pessoas a minha volta tem-me perguntado sobre as minhas práticas, diárias, semanais, mensais, para me manter integro, inteiro, autêntico. Aqui resumo as que tenho praticado:

Diárias (ou praticamente)
- Meditação (aprox. 1h)
- Journaling
- Dormir pelos menos 7 horas
- Beber 1 a 2 litros de água (procurando que seja o mais próximo possível de água de nascente)
- Alimentação consciente: vegan; 30% de crus; tentativamente biológica, local, de comércio justo; sem uso de açucar adicionado, alcool, café, sal refinado; com uso consciente de glutén, soja, sal e cereais integrais
- Jejum de 14 horas
- Andar o máximo que puder
- Leitura de 1 hora (ou visionamento de documentários e/ou filmes ou visita a exposições/ museus)
- Estar diariamente com os meus filhos e companheira
- Procurar um equilíbrio entre eu e a companheira no dia a dia da família (e.g. logistica, filhos)
- realizar tarefas comuns de forma mindfulness (e.g. arrumar a cozinha, conduzir, brincar com os miudos)

Semanais
- P…

Aprendizagens da condição COVID19 II: escola e aprendizagem

É curioso observar que antes da situação COVID19, o Movimento de Educação Livre ou a Rede de Educação Viva eram periféricos ao sistema. Defendiam formas de fazer que eram completamente diferentes do seguidos pelo sistema. De repende, de um dia para o outro, o que era periferia tornou-se mainstream e o que esta no centro passou para a periferia: fomos todos para homeschooling. E tem estado a funcionar, uns melhores, outros piores, mas no geral, esta a funcionar. Há muito para aprender nos próximos anos, a medida que formos estudando o que se passou aqui, mas vimos todos que é possível modelos completamente diferente a aprendizagem e a educação. Fico curioso para saber como o modelo da Filândia funcionou neste contexto ? assim como as escolas da revolução em Barcelona ? ou das escolas no Brasil que seguiam o modelo âncora do José Pacheco ?

Os meus filhos seguem uma escola, que esta no eixo mais conservador (eixo que de um lado/metade tem os modelos de sala de aula e do outro/ metade te…

MOVIMENTO manifesto * Janeiro de 2011

Recomendo vivamente a leitura deste manifesto.
MOVIMENTO manifesto * Janeiro de 2011


....
Manifesto ‘Movimento’
1º Draft por Marco de Abreu * Janeiro de 2011

Para todo o lado que ‘olhamos’ - um olhar com todos os sentidos - vemos, melhor dizendo, sentimos que ‘algo tem de ser feito’. Há uma sensação no ar que ‘não estamos bem’, que vamos ter que ‘fazer qualquer coisa’, que a ‘coisa mudou’. Pela ‘coisa’ podemos estar a falar da nossa empresa (cada um que escolha a sua), comunidade (e.g. aldeia, cidade), país (e.g. Portugal), espaço económico (e.g. Comunidade Europeia), planeta (e.g. Terra). Os sintomas são mais que muitos, parece que não há dinheiro que chegue, recursos naturais que cheguem, há crises do clima, financeiras, agrícolas, florestais, políticas, há catastrofes naturais, ...

Uns pressagiam revoluções, outros anseiam por um salvador, muitos baixam a cabeça, muitos arregaçam as mangas e ‘fazem algo’, muitos olham a volta e procuram pistas, sinais, procuram descodificar o que s…