Avançar para o conteúdo principal

Manifesto empreendedor


Empreendedorismo é viver, é abraçar a vida com a vida que 'recebemos'. É aprender a andar, a falar, a amar, ... é viver a vida, vivendo (presente) com a incerteza da vida: qual o momento (futuro) em que acaba a vida ? É esta incerteza, a incerteza fundadora da vida e do acto de empreender. Quando a incorporamos no presente, vivemos, tiramos de cada momento todo o colorido da vida. Aprendemos. Motivamo-nos. Superamo-nos. Somos UM e TODOS.

Assim, empreendedorismo é um método, uma forma de lidar com a incerteza, de construir o futuro.

Empreendedor é a pessoa que aceita construir o seu futuro, que não delega esta construção em ninguém. Como diz o João Sem Medo, quando escolhe o "caminho da infelicidade", nas "Aventuras do João Sem Medo" do José Gomes Ferreira, "Mas juro que não hei-de ser infeliz PORQUE NÃO QUERO."

O principal trabalho que temos pela frente é ajudar cada pessoa a lidar consigo e com as concepções do mundo - modelos mentais. É um desafio de crescimento pessoal, de crescimento interior, de desenvolvimento pessoal. Gonçalo Eiró numa das ONE talks sublinhava o facto de sermos adultos que operam com tácticas infantis, referindo-se ao facto de cada um de nós não se conhecer a si próprio e como construiu a sua personalidade.

O crescimento interior liga-nos ao outro. Faz-nos perceber o nosso lugar na ecologia humana e planetária. Dá um sentido ao TODO e ao UM. Mostra que sou maior quando maior for a minha ligação ao OUTRO. Sozinho estou 'apagado'. Com o OUTRO acendo-me, transcendo-me. A construção individual transforma-se em construção colectiva.

Assim todos podemos escolher ser empreendedores e uma sociedade de empreendedores é uma sociedade livre. É uma sociedade que escolheu ser feliz.

Não posso deixar de tirar a consequência política: o mundo muda quando cada um de nós escolher ser feliz, sabendo que não esta sozinho nesta escolha e que será maior porque esta ligado ao outro. Neste contexto não precisamos que ninguém, mesmo um governo, faça nada por nós. Nós, cada um de nós, podemos fazer tudo o que há por fazer.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As minhas práticas

Várias pessoas a minha volta tem-me perguntado sobre as minhas práticas, diárias, semanais, mensais, para me manter integro, inteiro, autêntico. Aqui resumo as que tenho praticado:

Diárias (ou praticamente)
- Meditação (aprox. 1h)
- Journaling
- Dormir pelos menos 7 horas
- Beber 1 a 2 litros de água (procurando que seja o mais próximo possível de água de nascente)
- Alimentação consciente: vegan; 30% de crus; tentativamente biológica, local, de comércio justo; sem uso de açucar adicionado, alcool, café, sal refinado; com uso consciente de glutén, soja, sal e cereais integrais
- Jejum de 14 horas
- Andar o máximo que puder
- Leitura de 1 hora (ou visionamento de documentários e/ou filmes ou visita a exposições/ museus)
- Estar diariamente com os meus filhos e companheira
- Procurar um equilíbrio entre eu e a companheira no dia a dia da família (e.g. logistica, filhos)
- realizar tarefas comuns de forma mindfulness (e.g. arrumar a cozinha, conduzir, brincar com os miudos)

Semanais
- P…

Aprendizagens da condição COVID19 II: escola e aprendizagem

É curioso observar que antes da situação COVID19, o Movimento de Educação Livre ou a Rede de Educação Viva eram periféricos ao sistema. Defendiam formas de fazer que eram completamente diferentes do seguidos pelo sistema. De repende, de um dia para o outro, o que era periferia tornou-se mainstream e o que esta no centro passou para a periferia: fomos todos para homeschooling. E tem estado a funcionar, uns melhores, outros piores, mas no geral, esta a funcionar. Há muito para aprender nos próximos anos, a medida que formos estudando o que se passou aqui, mas vimos todos que é possível modelos completamente diferente a aprendizagem e a educação. Fico curioso para saber como o modelo da Filândia funcionou neste contexto ? assim como as escolas da revolução em Barcelona ? ou das escolas no Brasil que seguiam o modelo âncora do José Pacheco ?

Os meus filhos seguem uma escola, que esta no eixo mais conservador (eixo que de um lado/metade tem os modelos de sala de aula e do outro/ metade te…

MOVIMENTO manifesto * Janeiro de 2011

Recomendo vivamente a leitura deste manifesto.
MOVIMENTO manifesto * Janeiro de 2011


....
Manifesto ‘Movimento’
1º Draft por Marco de Abreu * Janeiro de 2011

Para todo o lado que ‘olhamos’ - um olhar com todos os sentidos - vemos, melhor dizendo, sentimos que ‘algo tem de ser feito’. Há uma sensação no ar que ‘não estamos bem’, que vamos ter que ‘fazer qualquer coisa’, que a ‘coisa mudou’. Pela ‘coisa’ podemos estar a falar da nossa empresa (cada um que escolha a sua), comunidade (e.g. aldeia, cidade), país (e.g. Portugal), espaço económico (e.g. Comunidade Europeia), planeta (e.g. Terra). Os sintomas são mais que muitos, parece que não há dinheiro que chegue, recursos naturais que cheguem, há crises do clima, financeiras, agrícolas, florestais, políticas, há catastrofes naturais, ...

Uns pressagiam revoluções, outros anseiam por um salvador, muitos baixam a cabeça, muitos arregaçam as mangas e ‘fazem algo’, muitos olham a volta e procuram pistas, sinais, procuram descodificar o que s…