Avançar para o conteúdo principal

Da natureza do sistema democrático

Importa saber do nosso sistema democrático que ele esta desenhado para se preservar, para se defender, para evitar alterações que mudem a sua natureza.

Este comportamento é assim por desenho, i.e., foi intenção de quem o desenhou. E sublinho que foi rectificado democraticamente, i.e., com o voto de todos.

Daqui resulta que o sistema faz o que é suposto fazer: preservar-se.

A motivação é fácil de entender. O sistema foi desenhado com a queda de um sistema totalitário que nos privava de liberdade, que nos moldava o pensamento e as formas de pensar. Nenhum de nós quer que seja possível voltar a ter sistemas destes, e todos nós concordamos em desenhar um sistema que não deixasse o totalitarismo ganhar de novo força.

A ironia é que por desenho, acabamos por ter um totalitarismo. Precisamos mudar este sistema para novas respostas para fazer evoluir e o sistema protege-se.

Não é uma propriedade do nosso sistema. É uma propriedade de qualquer sistema de poder. Preservar-se. Logo todos os sistemas democráticos do presente, muitos dos quais a braços com grandes desafios, estão bloqueados neste 'dead lock' (por desenho) como dizem o engenheiros informáticos.

A saída que tem sido usada até ao presente é a revolução, na maioria dos casos armada: excluir, dividir (vencidos e vencedores, mesmo que pai e filho). Uma pergunta surge: como podemos fazer diferente ?

O sistema que temos foi desenhado utilizando a epistomologia do positivismo e o método reducionista, logo esgotamos as soluções neste quadro epistemologico.  O sistema não tem consciência de si (macro). A consicência é individual (micro). Um das características fundamentais deste quadro é que a informação esta aprisionada na hierarquia de saberes (e de organizações), logo não é variável de desenho organizacional. Devemos utilizar uma nova epistomologia (construtivismo) e um novo método (sistémico). No novo quadro, libertamos a informação, esta passa a modelar o desenho das organizações fazendo emergir novas ecologias da acção (do micro para o macro e vice-versa). Construimos um sistema em que a consciência colectiva altera o desenho do sistema. Eis dois exemplos:

- Fazer com que todas as decisões nos partidos sejam tomadas por voto democratico secreto, em particular a nomeação das pessoas que vão ser candidatas em eleições para representar

- Tornar público toda a informação das entidades públicas, incluindo os partidos, i.e., accountability de todas as transacções que alteram o estado da organização respectiva (e.g. contratar uma pessoa, adjudicar uma obra, entrada de um militante)

É esta a revolução que se impõem, uma revolução de consciência individual que permita desenvolver no sistema democrático uma consciência colectiva que desenhe. É uma revolução de inovação social. Com todos, sem excluir. E, estamos a tempo!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As minhas práticas

Várias pessoas a minha volta tem-me perguntado sobre as minhas práticas, diárias, semanais, mensais, para me manter integro, inteiro, autêntico. Aqui resumo as que tenho praticado:

Diárias (ou praticamente)
- Meditação (aprox. 1h)
- Journaling
- Dormir pelos menos 7 horas
- Beber 1 a 2 litros de água (procurando que seja o mais próximo possível de água de nascente)
- Alimentação consciente: vegan; 30% de crus; tentativamente biológica, local, de comércio justo; sem uso de açucar adicionado, alcool, café, sal refinado; com uso consciente de glutén, soja, sal e cereais integrais
- Jejum de 14 horas
- Andar o máximo que puder
- Leitura de 1 hora (ou visionamento de documentários e/ou filmes ou visita a exposições/ museus)
- Estar diariamente com os meus filhos e companheira
- Procurar um equilíbrio entre eu e a companheira no dia a dia da família (e.g. logistica, filhos)
- realizar tarefas comuns de forma mindfulness (e.g. arrumar a cozinha, conduzir, brincar com os miudos)

Semanais
- P…

Aprendizagens da condição COVID19 II: escola e aprendizagem

É curioso observar que antes da situação COVID19, o Movimento de Educação Livre ou a Rede de Educação Viva eram periféricos ao sistema. Defendiam formas de fazer que eram completamente diferentes do seguidos pelo sistema. De repende, de um dia para o outro, o que era periferia tornou-se mainstream e o que esta no centro passou para a periferia: fomos todos para homeschooling. E tem estado a funcionar, uns melhores, outros piores, mas no geral, esta a funcionar. Há muito para aprender nos próximos anos, a medida que formos estudando o que se passou aqui, mas vimos todos que é possível modelos completamente diferente a aprendizagem e a educação. Fico curioso para saber como o modelo da Filândia funcionou neste contexto ? assim como as escolas da revolução em Barcelona ? ou das escolas no Brasil que seguiam o modelo âncora do José Pacheco ?

Os meus filhos seguem uma escola, que esta no eixo mais conservador (eixo que de um lado/metade tem os modelos de sala de aula e do outro/ metade te…

MOVIMENTO manifesto * Janeiro de 2011

Recomendo vivamente a leitura deste manifesto.
MOVIMENTO manifesto * Janeiro de 2011


....
Manifesto ‘Movimento’
1º Draft por Marco de Abreu * Janeiro de 2011

Para todo o lado que ‘olhamos’ - um olhar com todos os sentidos - vemos, melhor dizendo, sentimos que ‘algo tem de ser feito’. Há uma sensação no ar que ‘não estamos bem’, que vamos ter que ‘fazer qualquer coisa’, que a ‘coisa mudou’. Pela ‘coisa’ podemos estar a falar da nossa empresa (cada um que escolha a sua), comunidade (e.g. aldeia, cidade), país (e.g. Portugal), espaço económico (e.g. Comunidade Europeia), planeta (e.g. Terra). Os sintomas são mais que muitos, parece que não há dinheiro que chegue, recursos naturais que cheguem, há crises do clima, financeiras, agrícolas, florestais, políticas, há catastrofes naturais, ...

Uns pressagiam revoluções, outros anseiam por um salvador, muitos baixam a cabeça, muitos arregaçam as mangas e ‘fazem algo’, muitos olham a volta e procuram pistas, sinais, procuram descodificar o que s…