Avançar para o conteúdo principal

Regime 2.0

A democracia Portuguesa vive com um problema de regime, como ilustra a instabilidade governativa dos últimos 30 anos. Mesmo nos períodos de maior estabilidade os Governos governam metade do tempo (a outra metade é a garantir que são eleitos).

Sugiro um novo regime, com limitação de mandatos para todos os cargos políticos, que se aplicaria ao poder central e local:

a) Presidente eleito para 1 único mandato de 7 em 7 anos

b) Presidente nomeia um governo para um mandato de 4 anos

c) Parlamento é eleito de 4 em 4 anos (deputados com máximo de 3 mandatos)

Assim, se poderia apregoar a grande virtude da República*, garantir que num prazo de 5o anos aparece pelo menos um governante que faz a diferença... quando aparece,o regime garante a estabilidade necessária para que o trabalho seja feito; quando não aparece, o regime garante a continuidade do trabalho do último bom governante.

(*) O romano Júlio César dizia-se republicano pois a República era o regime que oferecia maior probabilidade de aparecer um bom governante - dizia que bastava 1 de 50 em 50 anos. Na Monarquia o direito sucessório daria para 1 ou 2 monarcas nesse período, enquanto na República com eleições de 2 em 2 anos teriámos 50 cônsules (2 por eleição).

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As minhas práticas

Várias pessoas a minha volta tem-me perguntado sobre as minhas práticas, diárias, semanais, mensais, para me manter integro, inteiro, autêntico. Aqui resumo as que tenho praticado:

Diárias (ou praticamente)
- Meditação (aprox. 1h)
- Journaling
- Dormir pelos menos 7 horas
- Beber 1 a 2 litros de água (procurando que seja o mais próximo possível de água de nascente)
- Alimentação consciente: vegan; 30% de crus; tentativamente biológica, local, de comércio justo; sem uso de açucar adicionado, alcool, café, sal refinado; com uso consciente de glutén, soja, sal e cereais integrais
- Jejum de 14 horas
- Andar o máximo que puder
- Leitura de 1 hora (ou visionamento de documentários e/ou filmes ou visita a exposições/ museus)
- Estar diariamente com os meus filhos e companheira
- Procurar um equilíbrio entre eu e a companheira no dia a dia da família (e.g. logistica, filhos)
- realizar tarefas comuns de forma mindfulness (e.g. arrumar a cozinha, conduzir, brincar com os miudos)

Semanais
- P…

MOVIMENTO manifesto * Janeiro de 2011

Recomendo vivamente a leitura deste manifesto.
MOVIMENTO manifesto * Janeiro de 2011


....
Manifesto ‘Movimento’
1º Draft por Marco de Abreu * Janeiro de 2011

Para todo o lado que ‘olhamos’ - um olhar com todos os sentidos - vemos, melhor dizendo, sentimos que ‘algo tem de ser feito’. Há uma sensação no ar que ‘não estamos bem’, que vamos ter que ‘fazer qualquer coisa’, que a ‘coisa mudou’. Pela ‘coisa’ podemos estar a falar da nossa empresa (cada um que escolha a sua), comunidade (e.g. aldeia, cidade), país (e.g. Portugal), espaço económico (e.g. Comunidade Europeia), planeta (e.g. Terra). Os sintomas são mais que muitos, parece que não há dinheiro que chegue, recursos naturais que cheguem, há crises do clima, financeiras, agrícolas, florestais, políticas, há catastrofes naturais, ...

Uns pressagiam revoluções, outros anseiam por um salvador, muitos baixam a cabeça, muitos arregaçam as mangas e ‘fazem algo’, muitos olham a volta e procuram pistas, sinais, procuram descodificar o que s…

"Os 12 lugares mais bonitos de Portugal"

É este o título de capa da revista Sábado desta semana (22 a 28 de Nov.2007); são:
- Levada do Rabaçal e das 25 Fontes, Madeira
- Grutas de São Vicente, Madeira
- Poço da Alagoinha, Flores.Açores
- Esteiro de Canelas, Estarreja
- Planalto Central, Pico.Açores
- Mata da Albergaria, PN da Peneda-Gerês
- Fraga da Pena, Serra do Açor
- Algar do Carvão, Terceira.Açores
- Pulo do Lobo, Mértola
- Canhão Fluvial do Douro, Aldeia Nova
- Paul do Boquilobo, Golegã
- Bosque de Carrazedo, Trás-os-Montes

É um excelente motivo para (iniciar a) viajar pelo país... e já agora conhecê-lo!
(é uma boa maneira de ir mudando hábitos, em particular o muito português de dizer mal do que não se conhece!)