Avançar para o conteúdo principal

acção de empreender no Mundo

Estimulado pela reflexão do Hugo em (link);

1. Vejo o empreendedorismo como um método, equiparado ao método cientifico (conhecimento), filosofico (especulativo/ conceito), artisitico (estético/ beleza), espiritual (teologico/ sentido)

2. Estes métodos são os métodos que a humanidade ao longo do tempo criou para lidar com a incerteza, com o seu lugar no Mundo, com o fazer sentido, com o lidar com a consciência de si e do Mundo

3. Neste sentido, a minha tese é que foi com o empreendedorismo que a humanidade criou os outros, foram empreendedores os que usaram as tecnologias da pedra e do fogo (onde isto tudo começou), os que pintaram nas paredes e inventaram tintas, pinceis e afins, os que criaram a agricultura, os seus instrumentos e as suas tecnicas, ... ou seja, empreendedorismo é o método com que a humanidade interage com o seu meio, e faz sentido em cada época

4. Numa visão mais espiritual contemporanea, o empreendedorismo é a manifestação do espirito criativo do universo, a consciência que cria, o espirito criador. Em cada época os empreendedores de então criaram o que tiveram de criar para fazer sentido: a arte, a caça, a agricultura, as tecnologias do fogo, ... as tecnologias electricas, as de comunicação, computação, informação, organização, ...

5. A consciência universal cria através da Vida, i.e., também da humanidade (mas não só!); a manifestação deste impulso criador nas pessoas, levou a acção no Mundo, a imaginar algo na mente e a desenvolver as 'artes' para criar no mundo o que se imaginou na cabeça e esta é a essência do empreendedor e do empreendedorismo: consciência que cria consciência.

6. Com as tecnologias do fogo criamos a separação entre nós e os outros: passamos a ter controlo sobre os outros animais, sobre a natureza, sobre nós próprios; passamos a utilizar o fogo para cozinhar, proteger, fazer utensilios, ... passamos a exercer controlo e nos distanciar da natureza

7. Continuamos a nossa separação com a agricultura: precisamos controlar a natureza para ter uma colheita

8. O método cientifico é o culminar deste processo de separação - inventamos forma de controlar o Mundo: conhecer o real (o positivo), que já existe e é matematico (cartesiano), descodificar as leis (tudo esta determinado) e desta forma conseguimos controlar o futuro e eliminar a incerteza - não temos mais que estar subjugados aos caprichos da natureza, do Homem (então o centro do Mundo), da ignorância (e os tempos que se viviam havia muita caça as bruxas, muita fogueira onde se queimavam pessoas, ...)

9. Desde então a separação entre a mente e o corpo, entre o conhecer e o fazer, teve como resultado a ilusão do controlo e da certeza: o mundo máquina; as pessoas foram encantadas pela flauta do progresso científico e pela continua alienação: nós não fazemos parte da natureza; a natureza existe para nos servir; temos tudo a disposição; a separação fez desaparecer a consciência, um processo complexo e logo emergente, surge de juntar e não de separar

10. É a ilusão que chega ao fim. Somos mente e corpo: a mente é corpo e o corpo é mente. Nós temos que nos confrontar com a suprema sabedoria: nós somos natureza e não estamos separados dela, quer no plano micro, a natureza humana, quer no plano macro, o cosmos. Nós somos Gaia. Com o juntar emerge a consciência e começamos a perceber que estivemos alienados

11. Foi como se nos tivessemos deitado a noite, tranquilos, e de manhã, acordamos sobressaltados e estamos cheios de sangue com uma faca na mão e jaz um corpo ao nosso lado. O que se passou ? É este acordar que esta a acontecer por todo o lado: o que fizemos ?

12. Este é o sentir da época; o chamamento dos empreendedores, das pessoas que, olhando para tudo isto, sentem o impulso criador, vêm o mundo como um caldeirão de oportunidade; "esta tudo para fazer", dizem.

13. A percepção das oportunidades pressupoem que a pessoa esta em sentido de integração (como se diz no eneagrama), que esta em flourishing (como se diz na psicologia positiva), que sente o impulso criador e que faz sentido do mundo agindo sobre ele

14. O empreendedores de hoje sentem que já não podem separar; que tem que juntar, reunir. Que as tecnologias não podem ser do fogo (controlo). Antes terão que ser da água (felxibilidade/ adaptação). Temos que incluir e não excluir. Temos que vir todos e construir com e para todos.

15. Este é o desafio de juntar mente e corpo. razão e emoção. é o integral. Crescemos muito na razão e nos seus métodos. Crescemos muito na acção e nos seus métodos. Estamos muito mal preparados para lidar com o coração e com as emoções.

16. É este o espaço-tempo dos empreendedores do presente: promover a integração das pessoas, para estas poderem usar o método do empreendedorismo e co-criarem organizações e comunidades resilientes, que promovam o bem estar de Gaia.

17. A sirene esta a tocar. É a hora. Vinde pessoas da nossa época. Vinde sonhar. É tempo de Sonhar. E é tempo de empreender para termos amanhã, o Mundo com que sonhamos hoje.

18. O chamamento será ouvido por todos aqueles que treinarem o seu ouvido para ouvir a voz do silêncio. O seu silêncio. O chamamento é interior. Começa em cada um de nós.

19. É este o processo que temos que facilitar. Não pode ser controlado. É um exercicio de liberdade. É este o novo que quer nascer.

20. E para algo nascer, algo terá que morrer. O controlo. E isso doi. É o parto. Primeiro o utero foi grande. Depois começou a ficar apertado - há que nascer. Segue-se a dor do nascimento, o caos, a desorganização. Para depois vermos nos nossos braços o/a filho (a). Segue a tranquilidade do novo. Neste momento estamos a sentir que o útero é pequeno e que há que nascer. É tempo de começar a viagem. Quem sou ?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As minhas práticas

Várias pessoas a minha volta tem-me perguntado sobre as minhas práticas, diárias, semanais, mensais, para me manter integro, inteiro, autêntico. Aqui resumo as que tenho praticado:

Diárias (ou praticamente)
- Meditação (aprox. 1h)
- Journaling
- Dormir pelos menos 7 horas
- Beber 1 a 2 litros de água (procurando que seja o mais próximo possível de água de nascente)
- Alimentação consciente: vegan; 30% de crus; tentativamente biológica, local, de comércio justo; sem uso de açucar adicionado, alcool, café, sal refinado; com uso consciente de glutén, soja, sal e cereais integrais
- Jejum de 14 horas
- Andar o máximo que puder
- Leitura de 1 hora (ou visionamento de documentários e/ou filmes ou visita a exposições/ museus)
- Estar diariamente com os meus filhos e companheira
- Procurar um equilíbrio entre eu e a companheira no dia a dia da família (e.g. logistica, filhos)
- realizar tarefas comuns de forma mindfulness (e.g. arrumar a cozinha, conduzir, brincar com os miudos)

Semanais
- P…

Leitura 'reinventing organizations'

Li a pouco um dos mais estimulantes livros sobre o tema das organizações, seu desenho, propósito, estratégia, liderança, empreendedorismo e casos.

Partilho o livro e duas palestras sobre o tema

Livro (Frederic Laloux): http://www.reinventingorganizations.com/ (há uma versão low-cost em formato digital)

Palestras:
(2014) https://www.youtube.com/watch?v=gcS04BI2sbk (1h15 m) - boa exposição do tema; perguntas e respostas fraco

RSA (Jan.2015): https://www.youtube.com/watch?v=QA9J-aKkOAI (~25 m) - exposição mais resumida; excelentes perguntas e repostas


Este livro permitiu-me observar que:
- Safira (1996-2005) era laranja com muitas praticas de Verde
- darwin (2005-2011) era verde com algumas práticas de Amarelo
- João Sem Medo (2011-) é amarelo (ainda com muito verde)

Por aqui tem se observa o meu nível de consciência e a caminhada. Foi um grande livro para mim. Sinto que é um grande livro para a humanidade em particular para quem se foca no tema de como organizamos a nossa acção.

Este liv…

Organizações de comuns: a emergência de um novo conceito de propriedade

Imaginem uma estrutura organizacional formada por 3 aneis, assim como o planeta Terra (Núcleo, Manto e Crosta).

O 'Núcleo' é formado pelas relações entre as pessoas que trabalham na organização (e.g. gestores, empregados), quem esta serve (e.g. cliente, utilizadores) e quem é necessário para o serviço (e.g. fornecedores, parceiros). Vamos chamar a este o 'anel da missão'. É um anel de nomeação automática, i.e., se estiver a ter um destes papeis, pertence automaticamente a este anel com os respectivos deveres e direitos. Ou seja, se sou empregado nesta organização pertenço automaticamente a este anel e não tenho como não escolher pertencer.

O 'Manto' é formado por todos aqueles que já estiveram no núcleo executivo e que já não estão, por terem deixado de ser clientes ou utilizadores, parceiros ou fornecedores ou porque se reformaram ou foram executar funções para outras organizações. Vamos chamar a este o 'anel do conhecimento'. É também um anel de nome…