Avançar para o conteúdo principal

10 mil horas. Empreendedor ?

M. Gladwell no livro "Outliers" apresenta a 'regra das dez mil (10.000) horas'. A mestria num tema exige 10.000 horas de prática, i.e., 5 a 6 anos (em dias de 8 horas, semanas de 5 dias e anos de 40/44 semanas).

Se aplicarmos a regra ao empreendedorismo, alguém seria empreendedor depois de 10.000 horas Será assim ? Estou convicto que sim. Porque ser empreendedor seria diferente de ser cirurgião, piloto de avião, cozinheiro, carpinteiro, músico, soldador, agricultor, pescador ou qualquer outra actividade humana ?

Então só serei empreendedor depois das 10.000 horas ? Penso que a resposta é a mesma para as outras artes. Num momento inicial há a intenção em ser; somos aprendizes de...; à medida que o tempo passa, vamos ganhando mestria no tema, até nos sentirmos confiantes em 'voar sozinhos'. Há um momento em que deixamos de contar, e pouco depois, pelo menos é a nossa percepção, já passaram as 10.000 horas e mais uns anos ;-)

Daqui resulta dois pontos:
a) Como aprendiz devo ter um mestre - um ou mais mentores - não precisa ser uma pessoa, pode ser uma comunidade de pessoas, como o João Sem Medo Center; mas tenho que ter referências dos temas e áreas em que estou a trabalhar - modelos/ referências.

b) Devo ter um 'recreio', 'um simulador', onde possa brincar, experimentar sem 'cair pelas escadas abaixo', 'sem deitar o avião ao chão' ou 'matar o doente'; são exemplos organizar eventos, sejam viagens, festas, ter vida associativa, liderar projectos em que alargo a minha zona de conforto; posso e devo fazer isto ao longo do tempo, passo a passo, começando o mais cedo possível. Mas se não começei cedo, não esta nada perdido; posso juntar-me a uma comunidade e começar a fazer isso agora: e.g. João Sem Medo Center, Beta-i.

Estando numa comunidade, há diferença em estar numa comunidade intencional, que nasceu com a intenção ser ser esse laboratório, de ser o espaço onde se aprende a lidar com a incerteza, passo a passo. Uma comunidade que esta focada na pessoa e nos seus baby-steps. Onde não acertar faz parte do processo de aprendizagem e não de colapso da auto-estima. Quando no João Sem Medo estou a ajudar a organizar o 'ask experts' ou o 'ciclo de workhops "Todos podem aprender empreendedorismo", estou a brincar neste recreio, onde alargo a minha zona de conforto. Mas porque é intencional estou a ganhar a vários níveis: estou a criar relações, conhecendo pessoas e organizações, que podem ser meus clientes, parceiros, colaboradores, sócios, ... estou a melhorar os meus skills de relacionamento; estou a conhecer-me melhor, a perceber o que gosto, o que me dá prazer, o que me faz zangar e porque; estou a lidar com os meus dragões (medos), observando os outros que já fazem a fazer; estou a construir a minha identidade, a minha auto-estima; estou a procurar o meu 'sentido', porque estou a fazer e a sentir, se o que faço faz sentido para mim ou não; estou a ganhar as minhas 10.000 horas como empreendedor.

Eu comecei muito cedo: lembro-me os 6 anos fazer recados aos meus pais sozinho, fora de casa. Ia para a escola sozinho. Aos 10 anos para além de ir para escola sozinho, ia para o andebol, e para o conservatório: entre transportes públicos e a pé (triângulo com 5km entre os lados); aos 15 organizei uma viagem de finalistas; aos 16-17 pertencia a 2 associações e por ai fora...

Há uma diferença entre o empreendedor e outra arte: é que um cirurgião pode ser empreendedor, i.e., para se ser empreendedor, temos que ter também uma arte. Ou as duas andam a par - foi o meu caso com a Safira (engenharia informática e empreendedorismo) - ou uma terá que vir a seguir a outra (carreira em engenharia informática e mais tarde torno-me empreendedor em engenharia informática - caso: widgilabs). Se o meu objecto de empreendedorismo mudou em relação à minha experiência inicial (e.g. era gestor de projecto e já tinha as 10.000 horas e agora vou empreender em comércio, terei que ganhar as 10.000 nas duas: comércio e empreendedorismo - caso Kiss the Cook).

Comentários

nunorod disse…
Verdade Marco. A sensação de avançar no conhecimento é real, sejam 10.000 horas ou 100 ou 200.000. Sente-se o passar do curioso para o aprendiz, é algo que se sente de facto, quase palpável e só quem o está a fazer é que consegue perceber como é.

Mas puxaste um detalhe muito interessante, do qual raramente nos apercebemos quando estamos a alimentar a sede de aprender, precisamos de algo com o qual experimentar, uma matéria para moldar e na qual experimentar e é demasiado fácil deixar passar isso ao lado, pensando nós que já temos muito conhecimento, mas que sem o colocar em prática, dificilmente temos a real percepção do seu uso.

O "laboratório" onde brincar e falhar é importantíssimo e esse conceito passa muito despercebido.
nunorod disse…
Verdade Marco. A sensação de avançar no conhecimento é real, sejam 10.000 horas ou 100 ou 200.000. Sente-se o passar do curioso para o aprendiz, é algo que se sente de facto, quase palpável e só quem o está a fazer é que consegue perceber como é.

Mas puxaste um detalhe muito interessante, do qual raramente nos apercebemos quando estamos a alimentar a sede de aprender, precisamos de algo com o qual experimentar, uma matéria para moldar e na qual experimentar e é demasiado fácil deixar passar isso ao lado, pensando nós que já temos muito conhecimento, mas que sem o colocar em prática, dificilmente temos a real percepção do seu uso.

O "laboratório" onde brincar e falhar é importantíssimo e esse conceito passa muito despercebido.
nunorod disse…
Verdade Marco. A sensação de avançar no conhecimento é real, sejam 10.000 horas ou 100 ou 200.000. Sente-se o passar do curioso para o aprendiz, é algo que se sente de facto, quase palpável e só quem o está a fazer é que consegue perceber como é.

Mas puxaste um detalhe muito interessante, do qual raramente nos apercebemos quando estamos a alimentar a sede de aprender, precisamos de algo com o qual experimentar, uma matéria para moldar e na qual experimentar e é demasiado fácil deixar passar isso ao lado, pensando nós que já temos muito conhecimento, mas que sem o colocar em prática, dificilmente temos a real percepção do seu uso.

O "laboratório" onde brincar e falhar é importantíssimo e esse conceito passa muito despercebido.
Salome disse…
Muito trabalho pela frente... :P

Mensagens populares deste blogue

As minhas práticas

Várias pessoas a minha volta tem-me perguntado sobre as minhas práticas, diárias, semanais, mensais, para me manter integro, inteiro, autêntico. Aqui resumo as que tenho praticado:

Diárias (ou praticamente)
- Meditação (aprox. 1h)
- Journaling
- Dormir pelos menos 7 horas
- Beber 1 a 2 litros de água (procurando que seja o mais próximo possível de água de nascente)
- Alimentação consciente: vegan; 30% de crus; tentativamente biológica, local, de comércio justo; sem uso de açucar adicionado, alcool, café, sal refinado; com uso consciente de glutén, soja, sal e cereais integrais
- Jejum de 14 horas
- Andar o máximo que puder
- Leitura de 1 hora (ou visionamento de documentários e/ou filmes ou visita a exposições/ museus)
- Estar diariamente com os meus filhos e companheira
- Procurar um equilíbrio entre eu e a companheira no dia a dia da família (e.g. logistica, filhos)
- realizar tarefas comuns de forma mindfulness (e.g. arrumar a cozinha, conduzir, brincar com os miudos)

Semanais
- P…

Organizações de comuns: a emergência de um novo conceito de propriedade

Imaginem uma estrutura organizacional formada por 3 aneis, assim como o planeta Terra (Núcleo, Manto e Crosta).

O 'Núcleo' é formado pelas relações entre as pessoas que trabalham na organização (e.g. gestores, empregados), quem esta serve (e.g. cliente, utilizadores) e quem é necessário para o serviço (e.g. fornecedores, parceiros). Vamos chamar a este o 'anel da missão'. É um anel de nomeação automática, i.e., se estiver a ter um destes papeis, pertence automaticamente a este anel com os respectivos deveres e direitos. Ou seja, se sou empregado nesta organização pertenço automaticamente a este anel e não tenho como não escolher pertencer.

O 'Manto' é formado por todos aqueles que já estiveram no núcleo executivo e que já não estão, por terem deixado de ser clientes ou utilizadores, parceiros ou fornecedores ou porque se reformaram ou foram executar funções para outras organizações. Vamos chamar a este o 'anel do conhecimento'. É também um anel de nome…

Breves notas sobre propriedade (enciclopédia 4)

Inspirado pela Enciclopédia 1, 2 e 3 do Gonçalo M. Tavares, Breves notas sobre, respectivamente, Ciência, Medo e Ligações, escrevo estas breves notas sobre 'propriedade'.
.... Enciclopédia 4 Breves notas sobre propriedade

Meu, Minha
Meu marido. Meu filho. Meu almoço. Meu corpo. Meu desejo. Meu carro. Meu espírito. Meu trabalho. Meu dinheiro. Meu país. Meu saber. Minha Mente. Minha mulher. Minha dor. Minha alegria. Minha felicidade. Minha auto-estima. Minha nacionalidade. Minha casa. Minha terra. Minha alma. Minha experiência. Minha família.
.........

Minha Família

Quem já passou por partilhas ?
Conhecia esta família ?
Irmão contra Irmão. Tio contra Sobrinho. Filho contra Mãe.

E para o que menos tem - de propriedade - um gato das botas.

..........
Economia I
Terra. Trabalho. Capital. Conhecimento.
..........
Terra I
Quem te nomeou dono ? Como te atribuiram senhor ? (Ver filmes de Indios e Cowboys).
Como ganharam a posse da terra os contemporaneos Americanos ?
No mito que funda…