Avançar para o conteúdo principal

Correndo a democracia...

Um grande atleta, por exemplo na maratona, quando nasceu não sabia andar. Teve primeiro que nascer, ganhar sentidos para 'sentir' o mundo, ganhar força muscular, desenvolver o cérebro para articular/ orquestrar e treiná-lo nessas funções, até começar a arriscar, a levantar-se do chão e dar os primeiros passos. Muitas acções foram realizadas, muitas tentativas, muitos erros, até que uma criança inicie a marcha. Dai até corre são mais uns tantos... depois crescer, desenvolver-se, ... algures no caminho começar a treinar a corrida, aprender a técnica, competir, treinar, exercitar todos os dias, até ser capaz de fazer a maratona e ganhar a medalha de ouro nos campeonato do Mundo ou nos Jogos Olímpicos. Pelo meio houve a família, as sucessivas escolas, um ou mais clubes, e muitas corridas, provas, treinos, ... muita prática. Muita oportunidade de falhar, de ver como é fazer bem.

Mas o que é que a maratona tem a haver com a democracia ? Formulando de outra forma, o que correr a maratona e o processo para lá chegar me mostra sobre a democracia ?

O ponto fundamental é que, até chegarmos a adultos e começarmos a votar, a democracia não é exercitada em lugar nenhum. Talvez nas associações... quantas se gerem democraticamente ? As assembleias de condóminos, os sindicatos, os partidos, as empresas, ... tudo em adulto. Assumindo que nestes sítios se pratica a democracia, a coisa só se exerce em adulto, o treino começa quando a competência já é necessária. Seria correr a maratona pela primeira vez no campeonato do Mundo, depois de ter visto umas quantas vezes na TV.

Sobre a questão de ser democrática a gestão de uma empresa, associação, partido e afins, a minha ideia é que não é. Tb sou da opinião que o nosso sistema é uma ditadura de 4 em 4 anos. Nós não participamos na decisão nem na organização da acção colectiva. Nem na escolha das prioridades. Tudo isto é feito por terceiros em processos mediados e intermediados.

Para se ter uma democracia tudo isto tem que começar desde muito cedo e muito abaixo. Nas famílias, mas comunidades locais, em cada empresa, em cada bairro. Temos que deixar de ser hierarquias e passar a colaborar, a fazer uso da inteligência colectiva, a ter métodos e tecnologias de organização que promovam a colaboração, a decisão e a acção responsável. Em cada sítio se treina. Em cada 'sítio' se analisa "o que sinto", "porque estou zangado com o outro", "como podemos ter os dois o que queremos", ... é este exercício, feito diariamente, desde o berço, que nos leva a poder ter um sistema democrático global, a um nível de uma sociedade, que funcione, onde cada um acredita no outro. A nossa democracia funciona tão bem como o atleta que vai correr a maratona pela primeira vez. E que face à falha diz que a culpa é do outro e do sistema. Tenho que saber lidar comigo e com as minhas insuficiências e grandezas. Tenho que saber lidar com o outro, que é humano como eu. E isto treina-se desde a mais tenra idade.

Para correr a democracia temos que começar a andar. Este é o défice democrático da nossa sociedade. As nossas formas de organização não são democráticas porque nós não sabemos correr a maratona (digo a democracia), porque delegamos noutros, pedimos que façam por nós e depois não gostamos do que eles fazem. Cada um de nós tem que saber correr a democracia. Poucos vão ganhar a medalha de ouro nos campeonatos do Mundo, mas a nossa sociedade irá funcionar muito melhor.

Impõem-se que mudemos a forma de nos organizar, como indivíduos, comunidades e organizações e que possamos todos começar a correr a democracia todos os dias no nosso dia a dia, na construção da nossa comunidade, das nossas organizações, das nossas famílias. Só assim vamos construir uma sociedade diferente.

Outros posts relacionados:
pessoa, comunidade, organização
Manifesto empreendedor
Da natureza do sistema democrático
Uma vida equilibrada (princípio do 1/3)
Revolução controlada
Caso Islândia. Teremos a coragem ?
Programa de Acção Política ACREDITAR



Comentários

Mensagens populares deste blogue

As minhas práticas

Várias pessoas a minha volta tem-me perguntado sobre as minhas práticas, diárias, semanais, mensais, para me manter integro, inteiro, autêntico. Aqui resumo as que tenho praticado:

Diárias (ou praticamente)
- Meditação (aprox. 1h)
- Journaling
- Dormir pelos menos 7 horas
- Beber 1 a 2 litros de água (procurando que seja o mais próximo possível de água de nascente)
- Alimentação consciente: vegan; 30% de crus; tentativamente biológica, local, de comércio justo; sem uso de açucar adicionado, alcool, café, sal refinado; com uso consciente de glutén, soja, sal e cereais integrais
- Jejum de 14 horas
- Andar o máximo que puder
- Leitura de 1 hora (ou visionamento de documentários e/ou filmes ou visita a exposições/ museus)
- Estar diariamente com os meus filhos e companheira
- Procurar um equilíbrio entre eu e a companheira no dia a dia da família (e.g. logistica, filhos)
- realizar tarefas comuns de forma mindfulness (e.g. arrumar a cozinha, conduzir, brincar com os miudos)

Semanais
- P…

Organizações de comuns: a emergência de um novo conceito de propriedade

Imaginem uma estrutura organizacional formada por 3 aneis, assim como o planeta Terra (Núcleo, Manto e Crosta).

O 'Núcleo' é formado pelas relações entre as pessoas que trabalham na organização (e.g. gestores, empregados), quem esta serve (e.g. cliente, utilizadores) e quem é necessário para o serviço (e.g. fornecedores, parceiros). Vamos chamar a este o 'anel da missão'. É um anel de nomeação automática, i.e., se estiver a ter um destes papeis, pertence automaticamente a este anel com os respectivos deveres e direitos. Ou seja, se sou empregado nesta organização pertenço automaticamente a este anel e não tenho como não escolher pertencer.

O 'Manto' é formado por todos aqueles que já estiveram no núcleo executivo e que já não estão, por terem deixado de ser clientes ou utilizadores, parceiros ou fornecedores ou porque se reformaram ou foram executar funções para outras organizações. Vamos chamar a este o 'anel do conhecimento'. É também um anel de nome…

Breves notas sobre propriedade (enciclopédia 4)

Inspirado pela Enciclopédia 1, 2 e 3 do Gonçalo M. Tavares, Breves notas sobre, respectivamente, Ciência, Medo e Ligações, escrevo estas breves notas sobre 'propriedade'.
.... Enciclopédia 4 Breves notas sobre propriedade

Meu, Minha
Meu marido. Meu filho. Meu almoço. Meu corpo. Meu desejo. Meu carro. Meu espírito. Meu trabalho. Meu dinheiro. Meu país. Meu saber. Minha Mente. Minha mulher. Minha dor. Minha alegria. Minha felicidade. Minha auto-estima. Minha nacionalidade. Minha casa. Minha terra. Minha alma. Minha experiência. Minha família.
.........

Minha Família

Quem já passou por partilhas ?
Conhecia esta família ?
Irmão contra Irmão. Tio contra Sobrinho. Filho contra Mãe.

E para o que menos tem - de propriedade - um gato das botas.

..........
Economia I
Terra. Trabalho. Capital. Conhecimento.
..........
Terra I
Quem te nomeou dono ? Como te atribuiram senhor ? (Ver filmes de Indios e Cowboys).
Como ganharam a posse da terra os contemporaneos Americanos ?
No mito que funda…