Avançar para o conteúdo principal

Collaboration University

Ontem, 3.Fev, assisti no ISEG (obrigado Paulo Soeiro de Carvalho) a uma fantástica palestra de Jose Luis Cordeiro da Singularity University (uma Universidade situada em Silicon Valey e powered by NASA e GOOGLE).

Fizemos uma viagem pela ciência e tecnologia do presente, de olhos postos no futuro: Nano-Tecnologia, Bio-Tecnologia, Info-tecnologia, Cogno-tecnologia. Segundo o orador entre 5 a 50 anos teremos muitas e importantes mudanças tecnologicas das quais sublinhamos:
- fim do envelhecimento humano e imortalidade
- fim da medicina curativa (eliminação de todas as doenças) e início da medicina proactiva
- fim da era humana e início da era do híbrido homem-máquina (homem + robot) ou melhoramento das características humanas através da tecnologia
- nascimento da comunicação telepática
- clonagem e selecção dos filhos
- fim da privacidade biologica e social

Independentemente da validade das previsões, foi interessante ter um status do que estamos a fazer ao presente em cada um destes campos e a sua importância para o nosso futuro: alimentação, energia, novas fronteiras (e.g. espaço).

No CV inclui ética, dado as questões que levanta: se não morremos, como fica a vida após a morte ? e como posso ir ter com o criador ? a quem pertence os meus dados biologicos ? ...

No entanto, houve um ponto que me deixou perplexo, contemplativo e que vai ao encontro das minhas suspeitas há já algum tempo. Cada inovação tecnológica coloca desafios novos na forma de organização. Veja-se as inovações ao nível da info-tecnologia que criaram a internet e as suas ferramentas, possibilitando o aparecimento da wikipedia.org, kiva.org, ...
O discurso do orador foi focado em organizações do presente, com formas de organização do passado, por exemplo falou-se muito de países, empresas multinacionais, actual sistema político, sistema económico, ...

O ar refrescante da 'tecnologia' e do que cada pessoa conseguirá fazer, ultrapassando todos os limites do possível e imaginável, choca com o ar a mofo da 'organização', cujas estruturas são as mesmas há muitos séculos (e.g. país) e os modelos em revisão (e.g. burocracia, democracia representativa).

A cerca de 50.000 que o nosso cerebro não muda. Então estavamos a pintar nas cavernas; hoje projectamos como vamos desenhar nas 'cavernas' de Marte. Esta conquista é a conquista da colaboração e das formas de organização, bem como da produção, memória e transmissão de conhecimento de geração para geração. Um simples telemóvel é um artefacto que envolve milhões de seres humanos.

Depois desta palestra foi claro para mim que a próxima deveria ser sobre a 'Collaboration University'. Um dos nossos desafios é imaginar as organizações que todo este contexto tecnológico potenciam e quais delas permitem a nossa realização, tirar o maior potencial de cada um de nós. O que sabe a sociedade de si ? Como se organiza a sociedade ? Qual a nossa participação ?

Na Singularity University o CV é:
* Technology Tracks
- AI & Robotics
- Nanotechnology
- Networks & Computing Systems
- Biotechnology & Bioinformatics
- Medicine & Neuroscience
* Resource Tracks
- Futures Studies & Forecasting
- Policy, Law & Ethics
- Finance, Economics & Entrepreneurship
* Application Tracks
- Energy & Ecological Systems
- Space & Physical Sciences

Na 'Collaboration University' poderia ser (draft imcompleto):
- O mundo da Fisíca e da condição universal
- O mundo da Biologia e da condição planetária
- O mundo da Antropologia e da condição humana
- O mundo da Informação e da consciência
- Ciência do Desenho e dos modelos
- Conhecimento, princípios e limites
- Métodos do saber: empreendedorismo, científico, artístico, filosófico, espiritual
- Tecnologia (NBIC)
- Princípios de Organização e Inteligência Colectiva


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sobre a 'Transparência'...

Um dos princípios fundadores da João Sem Medo é o 'princípio da transparência e accountability'. Vem do 'movimento manifesto' e dos seus 3 blocos principais 'inteligência colectiva', 'mediação tecnológica' e 'ética dos comuns'. No João Sem Medo é implementado usando o 'rio', que concretiza a mediação tecnológica entre a informação e as pessoas, que acolhe a informação de forma livre, não editada, convoca a inteligência colectiva da comunidade, suportado por uma ética de bem comum.

O tema da transparência é um tema forte nas 'organizações abertas' (https://opensource.com/open-organization/resources/what-open-organization) e para o contexto da liderança é um livro muito interessante 'Open Leadership: How Social Technology Can Transform How You Lead'.

No possibility management (http://www.nextculture.org/) - o próximo curso em PT começa a 24.Fev (https://www.facebook.com/events/336000726775079/) o Clinton apresenta um '…

As minhas práticas

Várias pessoas a minha volta tem-me perguntado sobre as minhas práticas, diárias, semanais, mensais, para me manter integro, inteiro, autêntico. Aqui resumo as que tenho praticado:

Diárias (ou praticamente)
- Meditação (aprox. 1h)
- Journaling
- Dormir pelos menos 7 horas
- Beber 1 a 2 litros de água (procurando que seja o mais próximo possível de água de nascente)
- Alimentação consciente: vegan; 30% de crus; tentativamente biológica, local, de comércio justo; sem uso de açucar adicionado, alcool, café, sal refinado; com uso consciente de glutén, soja, sal e cereais integrais
- Jejum de 14 horas
- Andar o máximo que puder
- Leitura de 1 hora (ou visionamento de documentários e/ou filmes ou visita a exposições/ museus)
- Estar diariamente com os meus filhos e companheira
- Procurar um equilíbrio entre eu e a companheira no dia a dia da família (e.g. logistica, filhos)
- realizar tarefas comuns de forma mindfulness (e.g. arrumar a cozinha, conduzir, brincar com os miudos)

Semanais
- P…

Organizações de comuns: a emergência de um novo conceito de propriedade

Imaginem uma estrutura organizacional formada por 3 aneis, assim como o planeta Terra (Núcleo, Manto e Crosta).

O 'Núcleo' é formado pelas relações entre as pessoas que trabalham na organização (e.g. gestores, empregados), quem esta serve (e.g. cliente, utilizadores) e quem é necessário para o serviço (e.g. fornecedores, parceiros). Vamos chamar a este o 'anel da missão'. É um anel de nomeação automática, i.e., se estiver a ter um destes papeis, pertence automaticamente a este anel com os respectivos deveres e direitos. Ou seja, se sou empregado nesta organização pertenço automaticamente a este anel e não tenho como não escolher pertencer.

O 'Manto' é formado por todos aqueles que já estiveram no núcleo executivo e que já não estão, por terem deixado de ser clientes ou utilizadores, parceiros ou fornecedores ou porque se reformaram ou foram executar funções para outras organizações. Vamos chamar a este o 'anel do conhecimento'. É também um anel de nome…