Avançar para o conteúdo principal

Protesto de 12.Março

Nas últimas semanas tem-me chegado vários ecos deste fantástico grito do ipiranga da nova geração, o grito da sua emancipação.

Em conjunto com alguns amigos, temos reflectido sobre os significados, pressupostos e consequências deste 'grito'. Este post é uma síntese dessa reflexão e, também, um 'movement' (a lá green hat do edward de bono).

Na reflexão, vou utilizar o framework disponibilizado pelo MOVIMENTO manifesto.

O 'grito' surge na sequência de um choque de valores entre os tradicionais (Expansão , Competição, Quantitativo, Dominação) e os que emergem (Conservação, Cooperação, Qualitativo, Parceria). Quer ao nível individual, quer ao nível colectivo, ainda não sabemos balancear bem os conjuntos de valores. Claramente a geração dos avós, usou os tradicionais; a dos país já um hibrido, mas de forma inconsciente, o que a maior parte das vezes se traduzia em incomodo, sensação que algo não estava bem... falta de sincronismo (a este proposito vale a pena ver o TED do Steven Strogatz)!

Este protesto mostra que os novos valores estão em cima da mesa e que a nova geração manipula bem os novos instrumentos: usou a mediação tecnológica (telemóvel com os sms, emails, www, ... as redes sociais e as suas tools como o facebook, blogs, ...) para juntar/ federar os individuos, fazendo a partilha de informação que possibilida a cada um dos individuos fazer o sensemaking e a respetiva 'computação' - computação cognitiva humana. Os instrumentos utilizados (e.g. manifesto) e o seu conteúdo, mostram uma ética, bem como a forma como a reflexão se esta a fazer, mediada pela tecnologia numa base ética subjacente, que regula o que vai para o digital (internet), é computado na internet e volta aos individuos, já amplificado.

Este é o mecanismo das MOBs. A este propósito vale a pena ver os TEDs do Clay Shirky.

Neste contexto sou particularmente sensível ao 'grito' e vejo com uma emancipação desta geração.
Sinto os valores subjacentes (cooperação, parceria, qualitativo) e os instrumentos que utilizaram (mediação tecnologica, computação cognitiva humana), mostrando que o 'novo' (e.g. facebook) é integrado com o 'menos novo' (e.g. manifesto).
Gosto desta energia!

Dois pontos me parecem merecer mais atenção/ reflexão. Digamos que é o ponto de oportunidade para aprofundar a reflexão.

O conteúdo e a forma de protesto.

O conteúdo, que simplifico dizendo "por favor, deixem-nos entrar no sistema", mostra falta de sincronismo, mostra que a forma de pensar é muito Racional, Análica, reducionista, Linear. Vale a pena perceber como pode o pensamento Intuitivo, Síntetico, Holístico e Não linear ser colocado ao serviço desta causa, mudando o paradigma para "que excelente oportunidade! que fantastica energia! nos podemos mudar o sistema! e as ideias são: - "!

Ainda uma nota sobre o 'papão' dos cérebros protugueses que saiem do país: "como podemos ter uma diaspora que seja portuguesa se não vemos que saiam portugueses e que vão trabalhar para os outros países, que constituam familias lá e vivam lá ? Como teriamos o António Damásio ? Como poderia a Ydreams entrar no mercado Americano ? Como poderia São Paulo ser dominado pelas padarias de portugueses ?"

Acho que há duas linhas de pensamento que devemos equacionar e, não ter medo:
- como ganhamos todos, individualmente e colectivamente, com os portugues que estão a sair, que já sairam, e que vão continuar a sair ?
- como chamamos outros, portugueses ou não, para se juntar a nós, partilhar este sol, povo, comida, ... e ajudar a criar novo conhecimento e com ele novas oportunidades ?
- é de rede que falamos e nesse sentido, em ambas as direcções construimos novas redes.

A forma de protesto é muito tradicionalista, a fazer lembrar outros 'manifestos' e outras 'amanhãs que cantam' e pouco 'lateral thinking'; mostra que há trabalho a fazer na forma de pensar e que o pensamento inovador e criativo ainda não esta dissemidado pela geração. Porque não uma mob na praça do comercio, ou uma guerra de almofadas ?

Dito isto, gosto desta energia e tudo o que ela significa. Estamos em evolução, a tensão de valores já é evidente. É tempo da acção, da acção que fará emergir os novos valores.

Porque não, no dia 12.Março, colocar um ecrã gigante na praçado comercio e fazer uma sessão colectiva de TEDs, ou de visionamento do filme 'Como Treinar o teu Dragão', fazendo ao mesmo tempo uma reflecão nas redes sociais (twitter, facebbok, ...) do que quer dizer 'Hiccup se sentir viking, mas não ver matar dragões como solução' e 'o pai dele não o ver como um viking' e 'o Hiccup achar que que o conhecimento que os Vikings tem dos dragões está imcompleto', ...

Vejo este protesto como os amigos do Hiccup; sabem que ele é diferente, mas não percebem o que ele esta a fazer, mas, com o devido contexto, são os primeiros a aderir e a compreender a mudança de modelos e perspectivas.

Não é tarde para uma nova marca geracional a 12 de Março!


---
@www
@facebook

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As minhas práticas

Várias pessoas a minha volta tem-me perguntado sobre as minhas práticas, diárias, semanais, mensais, para me manter integro, inteiro, autêntico. Aqui resumo as que tenho praticado:

Diárias (ou praticamente)
- Meditação (aprox. 1h)
- Journaling
- Dormir pelos menos 7 horas
- Beber 1 a 2 litros de água (procurando que seja o mais próximo possível de água de nascente)
- Alimentação consciente: vegan; 30% de crus; tentativamente biológica, local, de comércio justo; sem uso de açucar adicionado, alcool, café, sal refinado; com uso consciente de glutén, soja, sal e cereais integrais
- Jejum de 14 horas
- Andar o máximo que puder
- Leitura de 1 hora (ou visionamento de documentários e/ou filmes ou visita a exposições/ museus)
- Estar diariamente com os meus filhos e companheira
- Procurar um equilíbrio entre eu e a companheira no dia a dia da família (e.g. logistica, filhos)
- realizar tarefas comuns de forma mindfulness (e.g. arrumar a cozinha, conduzir, brincar com os miudos)

Semanais
- P…

Organizações de comuns: a emergência de um novo conceito de propriedade

Imaginem uma estrutura organizacional formada por 3 aneis, assim como o planeta Terra (Núcleo, Manto e Crosta).

O 'Núcleo' é formado pelas relações entre as pessoas que trabalham na organização (e.g. gestores, empregados), quem esta serve (e.g. cliente, utilizadores) e quem é necessário para o serviço (e.g. fornecedores, parceiros). Vamos chamar a este o 'anel da missão'. É um anel de nomeação automática, i.e., se estiver a ter um destes papeis, pertence automaticamente a este anel com os respectivos deveres e direitos. Ou seja, se sou empregado nesta organização pertenço automaticamente a este anel e não tenho como não escolher pertencer.

O 'Manto' é formado por todos aqueles que já estiveram no núcleo executivo e que já não estão, por terem deixado de ser clientes ou utilizadores, parceiros ou fornecedores ou porque se reformaram ou foram executar funções para outras organizações. Vamos chamar a este o 'anel do conhecimento'. É também um anel de nome…

Breves notas sobre propriedade (enciclopédia 4)

Inspirado pela Enciclopédia 1, 2 e 3 do Gonçalo M. Tavares, Breves notas sobre, respectivamente, Ciência, Medo e Ligações, escrevo estas breves notas sobre 'propriedade'.
.... Enciclopédia 4 Breves notas sobre propriedade

Meu, Minha
Meu marido. Meu filho. Meu almoço. Meu corpo. Meu desejo. Meu carro. Meu espírito. Meu trabalho. Meu dinheiro. Meu país. Meu saber. Minha Mente. Minha mulher. Minha dor. Minha alegria. Minha felicidade. Minha auto-estima. Minha nacionalidade. Minha casa. Minha terra. Minha alma. Minha experiência. Minha família.
.........

Minha Família

Quem já passou por partilhas ?
Conhecia esta família ?
Irmão contra Irmão. Tio contra Sobrinho. Filho contra Mãe.

E para o que menos tem - de propriedade - um gato das botas.

..........
Economia I
Terra. Trabalho. Capital. Conhecimento.
..........
Terra I
Quem te nomeou dono ? Como te atribuiram senhor ? (Ver filmes de Indios e Cowboys).
Como ganharam a posse da terra os contemporaneos Americanos ?
No mito que funda…