Avançar para o conteúdo principal

Sobre a 'Transparência'...

Um dos princípios fundadores da João Sem Medo é o 'princípio da transparência e accountability'. Vem do 'movimento manifesto' e dos seus 3 blocos principais 'inteligência colectiva', 'mediação tecnológica' e 'ética dos comuns'. No João Sem Medo é implementado usando o 'rio', que concretiza a mediação tecnológica entre a informação e as pessoas, que acolhe a informação de forma livre, não editada, convoca a inteligência colectiva da comunidade, suportado por uma ética de bem comum.

O tema da transparência é um tema forte nas 'organizações abertas' (https://opensource.com/open-organization/resources/what-open-organization) e para o contexto da liderança é um livro muito interessante 'Open Leadership: How Social Technology Can Transform How You Lead'.

No possibility management (http://www.nextculture.org/) - o próximo curso em PT começa a 24.Fev (https://www.facebook.com/events/336000726775079/) o Clinton apresenta um 'modelo de responsabilidade' que contempla os seguinte níveis: irreponsabilidade, responsabilidade infantil, responsabilidade adulta, alta responsabilidade e responsabilidade radical. Ele defende que a distribuição da população mundial ao presente é uma curva normal centrada na 'responsabilidade infantil' que ele caracteriza como 'alguém faz merda e o adulto vem limpar' (e.g. fabrica polui e o estado limpa; desastre nuclear e Mundo limpa). Diz que a magia e o nascimento de uma nova cultura só começa na 'alta responsabilidade' onde as pessoas começam a assumir mais responsabilidade do que a do seu espaço (e.g. pelos animais, pela Terra, pela sua vila, cidade). É a partir deste nível de responsabilidade que começam a aparecer os 'universos paralelos' como é Tamera, João Sem Medo e tantos outros espaços, onde alguém decidiu assumir mais responsabilidade que a da sua esfera pessoal.

Inspirado neste modelo, apresento a minha visão sobre a transparência no Mundo; vejo 5 níveis: 'secreto', 'público', 'voluntário', 'aberto', 'radical'.

'secreto' é o nível de transparência das polícias secretas, das mafias e das redes de crime organizado.

'público' (ou 'legal') é o nível legal, o que a lei obriga; as pessoas tornam publico o que são obrigadas (e.g. contas bancárias); as organizações o que são obrigadas (e.g. relatórios e contas; as declarações as finanças); no meu modo de ver, a distribuição das pessoas pelo nível de transparência é um curva normal centrada neste nível.

'voluntário' é o nível que vemos no 'multi-stakeholder'; as pessoas que começam a partilhar a sua informação para interagir com outros; as redes precisam deste nível para operar; as organizações que partilham informação e convocam ONGs, populações locais entre outros para ajudar a resolver os problemas, partilhando a informação; é o que estamos a ver nas organizações pos-modernistas (o www.consciouscapitalism.org).

'aberta' é o nível que emerge na internet com o 'open source', com a 'wikipedia', com os modelos baseados no 'crowdsourcing' e que agora se alastram pelos outros universos. É o nível que permite a inteligência colectiva, os movimento grassroot, o o open gov. Para mim o www.patientopinion.org.uk é um dos mais bonitos exemplos. Organizações a operar aqui, tem a informação aberta para toda a organização e abrem um pouco para fora, embora tipicamente não toda.

'radical' é quando a informação se torna aberta para o Mundo todo; a informação torna-se livre e disponível para todos, dentro ou fora; a informação privada passa a ser a informação inerente a condição humana, 'a experiência interior', 'as relações'; a interação com o Mundo torna-se pública. há poucos exemplos puros aqui, embora haja várias experiências. A wikipedia organização tem tentado actuar aqui. O partido pirata nórdico também. Experimentados este nível com a ONE Perfect Movement, a associação de onde nasceu a João Sem Medo.

No meu modo de ver uma nova cultura começa a emergir a partir dos níveis 'aberta' e 'radical'. Há uma relação directa entre o nível de responsabilidade 'adulto' e a transparência 'voluntária', bem como entre a 'alta' e a 'aberto'.

O que o princípio da João Sem Medo cultiva é o 'open'. É o que tenho usado deste sempre nas minhas organizações, já a 20 anos. É o que estamos a usar na 'homeostase'. Há um caminho para a transparência 'radical', mas é um caminho de passos curtos - por exemplo, na homoestase estamos a explicitar o desenho, o modelo da organização que estamos a criar, assim como na João Sem Medo.

O que vos emerge desta partilha ?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As minhas práticas

Várias pessoas a minha volta tem-me perguntado sobre as minhas práticas, diárias, semanais, mensais, para me manter integro, inteiro, autêntico. Aqui resumo as que tenho praticado:

Diárias (ou praticamente)
- Meditação (aprox. 1h)
- Journaling
- Dormir pelos menos 7 horas
- Beber 1 a 2 litros de água (procurando que seja o mais próximo possível de água de nascente)
- Alimentação consciente: vegan; 30% de crus; tentativamente biológica, local, de comércio justo; sem uso de açucar adicionado, alcool, café, sal refinado; com uso consciente de glutén, soja, sal e cereais integrais
- Jejum de 14 horas
- Andar o máximo que puder
- Leitura de 1 hora (ou visionamento de documentários e/ou filmes ou visita a exposições/ museus)
- Estar diariamente com os meus filhos e companheira
- Procurar um equilíbrio entre eu e a companheira no dia a dia da família (e.g. logistica, filhos)
- realizar tarefas comuns de forma mindfulness (e.g. arrumar a cozinha, conduzir, brincar com os miudos)

Semanais
- P…

Aprendizagens da condição COVID19 II: escola e aprendizagem

É curioso observar que antes da situação COVID19, o Movimento de Educação Livre ou a Rede de Educação Viva eram periféricos ao sistema. Defendiam formas de fazer que eram completamente diferentes do seguidos pelo sistema. De repende, de um dia para o outro, o que era periferia tornou-se mainstream e o que esta no centro passou para a periferia: fomos todos para homeschooling. E tem estado a funcionar, uns melhores, outros piores, mas no geral, esta a funcionar. Há muito para aprender nos próximos anos, a medida que formos estudando o que se passou aqui, mas vimos todos que é possível modelos completamente diferente a aprendizagem e a educação. Fico curioso para saber como o modelo da Filândia funcionou neste contexto ? assim como as escolas da revolução em Barcelona ? ou das escolas no Brasil que seguiam o modelo âncora do José Pacheco ?

Os meus filhos seguem uma escola, que esta no eixo mais conservador (eixo que de um lado/metade tem os modelos de sala de aula e do outro/ metade te…

MOVIMENTO manifesto * Janeiro de 2011

Recomendo vivamente a leitura deste manifesto.
MOVIMENTO manifesto * Janeiro de 2011


....
Manifesto ‘Movimento’
1º Draft por Marco de Abreu * Janeiro de 2011

Para todo o lado que ‘olhamos’ - um olhar com todos os sentidos - vemos, melhor dizendo, sentimos que ‘algo tem de ser feito’. Há uma sensação no ar que ‘não estamos bem’, que vamos ter que ‘fazer qualquer coisa’, que a ‘coisa mudou’. Pela ‘coisa’ podemos estar a falar da nossa empresa (cada um que escolha a sua), comunidade (e.g. aldeia, cidade), país (e.g. Portugal), espaço económico (e.g. Comunidade Europeia), planeta (e.g. Terra). Os sintomas são mais que muitos, parece que não há dinheiro que chegue, recursos naturais que cheguem, há crises do clima, financeiras, agrícolas, florestais, políticas, há catastrofes naturais, ...

Uns pressagiam revoluções, outros anseiam por um salvador, muitos baixam a cabeça, muitos arregaçam as mangas e ‘fazem algo’, muitos olham a volta e procuram pistas, sinais, procuram descodificar o que s…