Avançar para o conteúdo principal

Sobre 'fado'


Contexto: Numa conversa no facebook*, sobre fatalismo, senti-me impelido a escrever sobre fado. Aqui vai.

Gosto de fado, da música. Quanto ao fado, destino, já sabem que sou dos que acho que cada um pode co-criar o seu...
Na procura de uma razão, ocorre-me gosto da voz do Marceneiro, do que a voz da Amália faz-me sentir, do que sinto quando oiç
o a Mariza, Camané, isto só para citar duas gerações diferentes e vários estilos... gosto do som da guitarra portuguesa... gosto das variações de Lisboa, de Coimbra, de Setúbal, ... gosto de ser uma experiência de vários sentidos, dos 6 (espiritual conta ;-)

Mas tb e sobretudo da história.

A minha tese é que o fado são as mães que choram os seus filhos e maridos além mar.

Não podemos ter feito a primeira globalização sem termos inventado a saudade; somos muito poucos e só podemos sentir a falta de quem amamos; 500 anos disto é duro; e as viagens não eram 24h ;-)

Somos um povo forjado na espada e que em todos os séculos (diria em cada meio século - mas não fui verificar) esteve em guerra; 900 anos disto é muito duro; e gera muita saudade.

Este é um território das mulheres que choram a nossa história. Como não soubemos estar sossegados, temos muito que chorar. É o preço que pagamos por quere ser globais, mas defender a todo o custo um dos melhores bocados de terra no planeta ;-)

Pelo menos por isto, gosto de fado.

....
Falando de choro, do 'fado' que se co-cria, da história, do João, de Chora-que-logo-bebes, sem e com medo, é aqui que tudo se liga, pelo menos para mim; acho que somos um território de empreendedores que estamos a viver um período em que respiramos o nosso próprio medo (cap XI e XII - o joão medroso e o ar envenenado ;-)

---------
* Conversa

Na sequência da talk do Peter Senge sobre fatalism o Filipe comentou: "Fatalismo é o sobrenome de muitos portugueses. Um taço cultural chorincas presente inclusive em muitos empresários. Até há um género musical para o celebrar nacional e internacionalmente: o fado. Felizmente, cada vez mais há Joães-Sem-Medo de quebrar este ciclo fatalístico. ;)"

Link: http://www.facebook.com/groups/movimentomanifesto/permalink/448086298569393/

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As minhas práticas

Várias pessoas a minha volta tem-me perguntado sobre as minhas práticas, diárias, semanais, mensais, para me manter integro, inteiro, autêntico. Aqui resumo as que tenho praticado:

Diárias (ou praticamente)
- Meditação (aprox. 1h)
- Journaling
- Dormir pelos menos 7 horas
- Beber 1 a 2 litros de água (procurando que seja o mais próximo possível de água de nascente)
- Alimentação consciente: vegan; 30% de crus; tentativamente biológica, local, de comércio justo; sem uso de açucar adicionado, alcool, café, sal refinado; com uso consciente de glutén, soja, sal e cereais integrais
- Jejum de 14 horas
- Andar o máximo que puder
- Leitura de 1 hora (ou visionamento de documentários e/ou filmes ou visita a exposições/ museus)
- Estar diariamente com os meus filhos e companheira
- Procurar um equilíbrio entre eu e a companheira no dia a dia da família (e.g. logistica, filhos)
- realizar tarefas comuns de forma mindfulness (e.g. arrumar a cozinha, conduzir, brincar com os miudos)

Semanais
- P…

Organizações de comuns: a emergência de um novo conceito de propriedade

Imaginem uma estrutura organizacional formada por 3 aneis, assim como o planeta Terra (Núcleo, Manto e Crosta).

O 'Núcleo' é formado pelas relações entre as pessoas que trabalham na organização (e.g. gestores, empregados), quem esta serve (e.g. cliente, utilizadores) e quem é necessário para o serviço (e.g. fornecedores, parceiros). Vamos chamar a este o 'anel da missão'. É um anel de nomeação automática, i.e., se estiver a ter um destes papeis, pertence automaticamente a este anel com os respectivos deveres e direitos. Ou seja, se sou empregado nesta organização pertenço automaticamente a este anel e não tenho como não escolher pertencer.

O 'Manto' é formado por todos aqueles que já estiveram no núcleo executivo e que já não estão, por terem deixado de ser clientes ou utilizadores, parceiros ou fornecedores ou porque se reformaram ou foram executar funções para outras organizações. Vamos chamar a este o 'anel do conhecimento'. É também um anel de nome…

Breves notas sobre propriedade (enciclopédia 4)

Inspirado pela Enciclopédia 1, 2 e 3 do Gonçalo M. Tavares, Breves notas sobre, respectivamente, Ciência, Medo e Ligações, escrevo estas breves notas sobre 'propriedade'.
.... Enciclopédia 4 Breves notas sobre propriedade

Meu, Minha
Meu marido. Meu filho. Meu almoço. Meu corpo. Meu desejo. Meu carro. Meu espírito. Meu trabalho. Meu dinheiro. Meu país. Meu saber. Minha Mente. Minha mulher. Minha dor. Minha alegria. Minha felicidade. Minha auto-estima. Minha nacionalidade. Minha casa. Minha terra. Minha alma. Minha experiência. Minha família.
.........

Minha Família

Quem já passou por partilhas ?
Conhecia esta família ?
Irmão contra Irmão. Tio contra Sobrinho. Filho contra Mãe.

E para o que menos tem - de propriedade - um gato das botas.

..........
Economia I
Terra. Trabalho. Capital. Conhecimento.
..........
Terra I
Quem te nomeou dono ? Como te atribuiram senhor ? (Ver filmes de Indios e Cowboys).
Como ganharam a posse da terra os contemporaneos Americanos ?
No mito que funda…