Avançar para o conteúdo principal

Revolução controlada

Cada vez mais convencido que há dois grandes caminhos pela frente:
- revolução controlada da inovação social
- revolução clássica da sociedade

A clássica pode trazer alguma melhoria, mas é feita por impulso, de baixo para cima e sem controlo, com as emoções ao rubro. Veja-se o nosso 25 de Abril e os 10 anos que se seguiram; ou a nossa instauração da República e os 20 anos que se seguiram, e por ai fora.

Há um resultado garantido: há sempre os vencedores e os vencidos! Não é inclusiva, é exclusiva por natureza; cria uma fronteira entre "eu" e "tu".

Estou certo que se não fizermos a controlada, será esta a via seguida pela sociedade para fazer face as alterações de fundo que vivemos.

A revolução contralada, visa elegermos alguns objectivos de todo, de bem estar, que nos possam mobilizar a todos, que sintamos que estamos dispostos por lutar, por sacrifícios e iniciar um processo de passar para o micro, para cada um de nós a responsabilidade de contruir uma sociedade melhor; as escolas passam a ser "empresas sociais" locais participadas pelas famílias, pelos professores e demais entidades inbteressadas na escola; idem para os hospitais, tribunais, estradas, aeroportos, ... somo todos responsáveis e estamos todos convocados para participar.

Esta pode ser desenhada, inclusiva, envolvente e controlada (no sentido de prevenir a exclusão; os vencidos; o sangue e a perca de vidas) canalizanso as emoções para a participação e construção de uma sociedade mais interessante para todos.


Veja-se o que aconteceu nas últimas eleições:
http://coisas-do-marco.blogspot.com/2011/06/eleicoes-2011.html

O que a Islândia está a fazer:
http://coisas-do-marco.blogspot.com/2011/05/caso-islandia-teremos-coragem.html

Basta ACREDITAR que "eu" (cada um de nós!) sou capaz!
Neste contexto proponho uma nova acção política:
http://coisas-do-marco.blogspot.com/2011/05/programa-de-accao-politica-acreditar.html

A minha escolha é a de tentar a controlada!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As minhas práticas

Várias pessoas a minha volta tem-me perguntado sobre as minhas práticas, diárias, semanais, mensais, para me manter integro, inteiro, autêntico. Aqui resumo as que tenho praticado:

Diárias (ou praticamente)
- Meditação (aprox. 1h)
- Journaling
- Dormir pelos menos 7 horas
- Beber 1 a 2 litros de água (procurando que seja o mais próximo possível de água de nascente)
- Alimentação consciente: vegan; 30% de crus; tentativamente biológica, local, de comércio justo; sem uso de açucar adicionado, alcool, café, sal refinado; com uso consciente de glutén, soja, sal e cereais integrais
- Jejum de 14 horas
- Andar o máximo que puder
- Leitura de 1 hora (ou visionamento de documentários e/ou filmes ou visita a exposições/ museus)
- Estar diariamente com os meus filhos e companheira
- Procurar um equilíbrio entre eu e a companheira no dia a dia da família (e.g. logistica, filhos)
- realizar tarefas comuns de forma mindfulness (e.g. arrumar a cozinha, conduzir, brincar com os miudos)

Semanais
- P…

Organizações de comuns: a emergência de um novo conceito de propriedade

Imaginem uma estrutura organizacional formada por 3 aneis, assim como o planeta Terra (Núcleo, Manto e Crosta).

O 'Núcleo' é formado pelas relações entre as pessoas que trabalham na organização (e.g. gestores, empregados), quem esta serve (e.g. cliente, utilizadores) e quem é necessário para o serviço (e.g. fornecedores, parceiros). Vamos chamar a este o 'anel da missão'. É um anel de nomeação automática, i.e., se estiver a ter um destes papeis, pertence automaticamente a este anel com os respectivos deveres e direitos. Ou seja, se sou empregado nesta organização pertenço automaticamente a este anel e não tenho como não escolher pertencer.

O 'Manto' é formado por todos aqueles que já estiveram no núcleo executivo e que já não estão, por terem deixado de ser clientes ou utilizadores, parceiros ou fornecedores ou porque se reformaram ou foram executar funções para outras organizações. Vamos chamar a este o 'anel do conhecimento'. É também um anel de nome…

Breves notas sobre propriedade (enciclopédia 4)

Inspirado pela Enciclopédia 1, 2 e 3 do Gonçalo M. Tavares, Breves notas sobre, respectivamente, Ciência, Medo e Ligações, escrevo estas breves notas sobre 'propriedade'.
.... Enciclopédia 4 Breves notas sobre propriedade

Meu, Minha
Meu marido. Meu filho. Meu almoço. Meu corpo. Meu desejo. Meu carro. Meu espírito. Meu trabalho. Meu dinheiro. Meu país. Meu saber. Minha Mente. Minha mulher. Minha dor. Minha alegria. Minha felicidade. Minha auto-estima. Minha nacionalidade. Minha casa. Minha terra. Minha alma. Minha experiência. Minha família.
.........

Minha Família

Quem já passou por partilhas ?
Conhecia esta família ?
Irmão contra Irmão. Tio contra Sobrinho. Filho contra Mãe.

E para o que menos tem - de propriedade - um gato das botas.

..........
Economia I
Terra. Trabalho. Capital. Conhecimento.
..........
Terra I
Quem te nomeou dono ? Como te atribuiram senhor ? (Ver filmes de Indios e Cowboys).
Como ganharam a posse da terra os contemporaneos Americanos ?
No mito que funda…